Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Larissa Rodrigues

    Larissa Rodrigues

    Acompanha de perto as articulações do Congresso com o Executivo e como a relação entre os Poderes interfere na vida da população e na economia do país

    “O agro brasileiro é maior que qualquer disputa política”, afirma novo presidente da Comissão de Agricultura da Câmara

    Vicentinho assume lugar do deputado Evair Vieira de Melo, prometendo manter o diálogo independente de disputas políticas

    “O agro brasileiro é maior que qualquer disputa política”, afirma novo presidente da Comissão de Agricultura da Câmara
    “O agro brasileiro é maior que qualquer disputa política”, afirma novo presidente da Comissão de Agricultura da Câmara

    O deputado federal Vicentinho Júnior (PP-TO) é o novo presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados (CAPADR).

    Vicentinho assume o lugar do deputado Evair Vieira de Melo, também do PP (ES), prometendo manter o diálogo, independentemente de qualquer disputa política.

    “O agronegócio brasileiro é maior que qualquer disputa política. Os membros do governo que forem ajudar a somar para fortalecer o agro, vão ter minha solidariedade, afirmou.

    Próximo ao presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Pedro Lupion (PP-PR), Vicentinho disse à CNN que a comissão sob seu comando vai priorizar a melhora do seguro rural e buscará fortalecer a legislação do agronegócio brasileiro, visando uma melhor competitividade com o mercado internacional.

    “Quero dar condição do agronegócio do país competir com o agro de outras potências”, completou.

    Questionado sobre a reforma agrária, o parlamentar disse ser a favor, mas ressaltou que há métodos equivocados em quem luta pela conquista de um pedaço de terra.

    “Vou buscar a pacificação no assunto reforma agrária, mas é preciso garantir o direito à propriedade privada. Não é invadido a fazenda e queimando equipamento que você vai poder ter direito. É preciso respeitar o direito do outro”, argumentou.