Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Pedro Duran

    Pedro Duran

    O pai do Benjamin passou pela TV Globo, CBN e UOL. Na CNN, já atuou em SP, Rio e Brasília e conta histórias das cidades e de quem vive nelas

    Único prefeito no palanque, Nunes não discursará em ato de apoio a Jair Bolsonaro

    Chefe do Executivo paulistano foi convencido a participar da manifestação pelo governador Tarcísio de Freitas

    Único prefeito no palanque, Nunes não discursará em ato de apoio a Jair Bolsonaro
    Único prefeito no palanque, Nunes não discursará em ato de apoio a Jair Bolsonaro

    O prefeito Ricardo Nunes (MDB) decidiu que não discursará no ato de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), programado para este domingo (25).

    A decisão foi tomada após protestos de aliados de Nunes, que o aconselharam a nem sequer ir ao ato, já que toda e qualquer associação dele com a imagem de Jair Bolsonaro teria que ser muito bem calculada para não causar um impacto eleitoral negativo.

    Pesquisas internas feitas por pessoas que já estão trabalhando com Nunes mostram que ele não ‘herda’ a rejeição de Bolsonaro, ou seja, não tem contra si todo o pacote de votos antibolsonaristas.

    Isso, no entanto, não garante que encontros frequentes entre o prefeito e o ex-presidente não afetarão os números.

    Nunes disse à CNN que foi Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo pelo Republicanos, que o convenceu a subir no trio Demolidor, um dos maiores que existem no Brasil, mas que não acha que pode ser uma boa falar algo.

    Ele será o único prefeito a ter direito de dividir o espaço, no alto, com governadores, parlamentares e Bolsonaro. Isso porque o pastor Silas Malafaia, que vai bancar os R$ 80.000 do trio, disse à CNN que prefeitos e candidatos à prefeitura que não sejam parlamentares estarão vetados.

    A decisão de Nunes não discursar vem dias depois das avaliações internas da futura campanha de que o coronel Mello Araújo, indicado por Bolsonaro, não é mais uma opção para vice.

    Ex-militar da Rota e ex-administrador do Ceagesp, ele foi alvo até mesmo de fogo amigo dentro do próprio PL, que já aventou indicar a delegada Raquel Galinatti.