Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Raquel Landim

    Raquel Landim

    Com passagens pelos principais jornais do país como repórter especial e colunista, recebeu o prêmio “Jornalista Econômico” de 2022 pela Ordem dos Economistas do Brasil

    Defesa de Bolsonaro recorre e pede que plenário do STF julgue suspeição de Moraes

    Presidente do STF, ministro Luis Roberto Barroso, já rejeitou 192 pedidos de suspeição de Alexandre de Moraes na semana passada

    Defesa de Bolsonaro recorre e pede que plenário do STF julgue suspeição de Moraes
    Defesa de Bolsonaro recorre e pede que plenário do STF julgue suspeição de Moraes

    A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro apresentou recurso nesta terça-feira (27), solicitando que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) avalie o pedido de suspeição do ministro Alexandre de Moraes no caso da suposta trama golpista.

    Na semana passada, o presidente do STF, ministro Luis Roberto Barroso, havia rejeitado 192 pedidos de suspeição de Moraes formulados por investigados no Supremo – inclusive o de Bolsonaro.

    Barroso afirmou que as alegações de suspeição eram “genéricas” e “subjetivas”.

    Na nova petição protocolada hoje, os advogados do ex-presidente voltam a insistir que Moraes deveria ser declarado impedido porque é vítima da suposta trama golpista, por ter sido monitorado pelos envolvidos conforme investigações da Polícia Federal.

    “A narrativa dos supostos ataques e ameaças presente tanto na representação da autoridade policial quanto na decisão aponta para o entendimento de que as alegadas afrontas transcendem a esfera institucional, atingindo de maneira direta a pessoa do Ministro”, dizem os advogados.

    Segundo a CNN apurou, é muito difícil que o plenário do STF considere Moraes suspeito.

    O entendimento da maioria dos ministros é que os ataques e o suposto golpe eram contra a instituição e não contra um ministro.

    Fontes da defesa reconhecem as dificuldades do agravo regimental prosperar, mas afirmam que são “intransigentes em recorrer sempre que houver previsão legal”.