10% mais ricos controlam 76% da riqueza global; 50% mais pobres ficam com 2%

Fortuna dos mais ricos cresceu na pandemia, enquanto milhões entraram na pobreza

Dinheiro / dólares
Dinheiro / dólares Getty Images

Tami Luhbydo CNN Business*

Ouvir notícia

A pandemia do novo coronavírus piorou a enorme lacuna financeira entre ricos e pobres em todo o mundo, concluiu um novo relatório.

Os bilionários ao redor do mundo desfrutaram no ano passado do maior aumento em sua parcela de riqueza desde que o Laboratório de Desigualdade Mundial começou a manter registros, em 1995, de acordo com a análise do grupo de pesquisa divulgada nesta terça-feira (7).

O patrimônio líquido desse grupo cresceu mais de US$ 3,6 trilhões somente em 2020, aumentando sua participação na riqueza global de famílias para 3,5%.

Ao mesmo tempo, a pandemia empurrou cerca de 100 milhões de pessoas para a pobreza extrema, elevando o total global para 711 milhões em 2021, de acordo com uma estimativa do Banco Mundial citada pela análise.

Ainda mais pessoas teriam caído na pobreza se muitos países desenvolvidos não tivessem realizado esforços de socorro para proteger seus residentes das consequências financeiras da pandemia Covid-19.

“A crise de Covid-19 exacerbou as desigualdades entre os muito ricos e o resto da população”, disse Lucas Chancel, principal autor do relatório e codiretor do laboratório. “No entanto, nos países ricos, a intervenção governamental evitou um aumento maciço da pobreza, o que não aconteceu nos países pobres”.

O Relatório de Desigualdade Mundial é baseado em mais de quatro anos de trabalho de mais de 100 pesquisadores em todo o mundo. Os especialistas em desigualdade Emmanuel Saez e Gabriel Zucman, ambos da University of California, Berkeley, e Thomas Piketty, da Paris School of Economics, coordenaram o relatório com Chancel.

Embora a Covid-19 tenha aprofundado a divisão entre ricos e pobres, o mundo sempre foi desigual. A desregulamentação financeira, a privatização e a tributação menos progressiva nos países mais ricos e a privatização em grande escala nas economias emergentes ajudaram a impulsionar as fortunas dos ricos nas últimas décadas, disse o relatório. A desigualdade global está próxima de onde estava no auge do imperialismo ocidental no início do século 20, observou.

“O trabalho que temos feito realmente mostra que, de fato, essas afirmações – ou essa ideia de economia de gotejamento – não passam pelo escrutínio dos dados”, disse Chancel. “As principais lições dos dados dos últimos 40 anos são que os cortes nas taxas de impostos não geraram prosperidade para todos, como deveria ocorrer”.

O relatório recomenda a cobrança de um imposto sobre os ricos para gerar receitas que os governos possam usar para reduzir a desigualdade e investir em educação, saúde e medidas ecológicas.

Nos Estados Unidos, alguns políticos do Partido Democrata recentemente lançaram um plano para taxar bilionários para pagar por sua proposta de expansão da rede de segurança social, mas o esforço desvaneceu-se rapidamente.

Aqui estão mais cinco conclusões do relatório:

Riqueza global e lacunas de renda são enormes

Os 10% mais ricos da população global controlam 76% da riqueza mundial em 2021, de acordo com a análise. Em contraste, os 50% mais pobres possuem apenas 2%. Os 40% médios, por sua vez, possuem 22%.

Quando se trata de receita, os 10% mais ricos capturam 52% da receita global, enquanto os 50% mais pobres ganham apenas 8%. Os 40% intermediários perfazem 39%.

Ricos estão ficando cada vez mais ricos

O 1% do topo capturou 38% do crescimento da riqueza global entre 1995 e 2021, enquanto os 50% da base garantiram apenas 2%, concluiu o relatório.

As fortunas dos ricos se expandiram a uma taxa muito mais rápida – entre 3% e 9% ao ano durante esse período. Mas a metade mais pobre viu sua riqueza crescer apenas entre 3% e 4% ao ano. E como eles possuem muito pouca riqueza, o valor total não aumentou muito.

Lacuna de riqueza varia muito por região

A América Latina tem a maior divisão entre os 10% do topo, que controlam 77% da riqueza, e os 50% da base, que possuem apenas 1%.

Em contraste, a Europa tem a menor lacuna. Os 10% mais ricos possuem 58% da riqueza total, contra 4% dos 50% mais pobres.

O grande número de programas públicos disponíveis para residentes de baixa renda e classe média – incluindo educação gratuita, saúde e cultura – estão entre as razões pelas quais a Europa é uma sociedade menos desigual, disse Chancel.

“A Europa, com seu sistema muito generoso de acesso aos serviços públicos, conseguiu até agora conter o aumento das desigualdades, enquanto os Estados Unidos não fez isso nas últimas décadas”, disse ele.

Divisão da renda global diminuiu um pouco, mas continua alta

A diferença de renda global, que representa ganhos como ordenados, salários, juros e dividendos, diminuiu um pouco desde 1980, à medida que a China e alguns outros grandes países em desenvolvimento alcançaram a América do Norte e a Europa.

“A renda média tem aumentado mais rápido na China, na Índia, no Brasil, no mundo emergente, do que na Europa e do que nos EUA”, disse Chancel. “Por causa desse efeito, você tem uma redução das desigualdades globais entre quem vive na China e quem vive em outras partes do mundo”.

A renda média dos 10% do topo globais era 38 vezes maior do que a dos 50% da base em 2020, em comparação com 53 vezes maior em 1980. No entanto, o nível atual é comparável à diferença de renda em 1910, quando a renda média do top 10% global foi 41 vezes maior.

Mas, mesmo com o aumento da renda média nas nações emergentes, como China e Índia, a desigualdade dentro desses países aumentou.

“Isso realmente retardou o progresso em termos de redução das desigualdades globais”, disse ele. “E isso também desacelerou o progresso em termos de redução da pobreza”.

O estudo ajusta a renda dos países de acordo com as diferenças de custo de bens e serviços, prática conhecida como paridade de poder de compra.

Embora muitos dos dados do relatório se concentrem na desigualdade de renda antes dos impostos e das transferências de benefícios do governo, os pesquisadores também examinaram o impacto desses fatores na diferença.

Eles descobriram que, embora os impostos e as transferências reduzam modestamente a desigualdade, a divisão permanece “extremamente alta” em regiões que já eram muito desiguais.

Renda das mulheres ainda fica atrás da dos homens

A análise fornece as primeiras estimativas da desigualdade global de rendimentos por gênero. A participação das mulheres na renda total do trabalho é de pouco menos de 35% no período de 2015 a 2020.

Mas o número varia muito por país, indo de menos de 10% até 45%. A participação é maior nos países da ex-União Soviética e menor em partes da África Subsaariana e do Oriente Médio.

No atual ritmo de crescimento, levará mais de um século para que os rendimentos das mulheres atinjam a paridade com os dos homens, concluiu o relatório.

*(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original, em inglês)

Mais Recentes da CNN