Ibovespa cai 5,45% em dia turbulento após saída de Moro do governo

Durante o pregão, índice chegou a cair mais de 9,5%, próximo de acionar um novo circuit breaker

Do CNN Business*, em São Paulo
24 de abril de 2020 às 10:26 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 18:27
Dia de pregão na bolsa de valores de São Paulo (09.Mai.2016)
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

A confirmação da saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça, logo pela manhã, fez o mercado de ações brasileiro derreter e ter um dia de fortes oscilações. O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, encerrou esta sexta-feira (24) em queda de 5,45%, a 75.330,61 pontos. 

Durante o dia, o índice chegou a perder mais de 9,5%, beirando a ativação de um novo circuit breaker - mecanismo da bolsa de valores que suspende temporariamente as negociações quando a queda chega a 10%. Ao longo da tarde, entretanto, a retração perdeu parte da força. 

A mudança reforça também as inseguranças do mercado quanto à capacidade da equipe econômica de Paulo Guedes de retomar a agenda de reformas em meio aos gastos com a pandemia ou mesmo da possibilidade de o ministro da Economia permanecer ou não no cargo. Causou estranhamento, entre investidores, uma coletiva feita na véspera para anunciar um novo plano econômico apenas com membros da Casa Civil, sem a participação de Guedes.

Companhias estatais ficaram entre as principais quedas do dia: as ações do Banco do Brasil caíram 13,4% e a Eletrobras despencou 13,17%, Os papéis preferenciais da Petrobras caíram 5,9% e os papéis ordinários da petroleira perderam 7,3%. Entre as poucas altas do Ibovespa no dia, apareceram as exportadoras Suzano (+7%) e Klabin (1,7%), ajudadas pela disparada do dólar no dia.

“A saída do ministro Sérgio Moro da pasta da Justiça é mais uma notícia negativa em meio a outros graves problemas gerados a partir do agravamento do impacto da crise do coronavírus", disse Roberto Indech, estrategista-chefe da Clear Corretora. "Instabilidade gera volatilidade. A recomendação para os investidores é de cautela até que o presidente Bolsonaro nomeie um novo ministro para a pasta da Justiça, quando teremos uma sinalização mais clara da diretriz que o governo irá seguir”.

Lá fora

No exterior, os sinais foram difusos. Em Wall Stree, o índice Dow Jones saltou 1,11%, o S&P 500 subiu 1,39% e o Nasdaq valorizou 1,65%. 

Já as bolsas europeias fecharam em queda, com os investidores locais decepcionados com a falta de detalhes sobre um fundo de emergência de trilhões de euros acordado pelos líderes do bloco, à medida que aumentam as evidências dos danos globais causados pela crise do coronavírus. O FTSEurofirst 300 caiu 1,12% enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 1,1%.

As ações da China também apresentaram queda e encerraram a semana em baixa, devido às preocupações persistentes sobre o coronavírus. As perdas, no entanto, foram limitadas já que o governo chinês prometeu mais apoio na quinta-feira (23). Entre os principais setores que devem receber investimentos públicos, estão os mercados de 5G, inteligência artificial e transporte e energia. Outra preocupação é impulsionar o emprego para a retomada econômica pós-pandemia.

*Com Reuters