Clareza sobre novo corte surpreende e analistas veem taxa Selic em até 2,25%


Luísa Melo, do CNN Brasil Business, em São Paulo
06 de maio de 2020 às 20:30 | Atualizado 07 de maio de 2020 às 10:58
Pessoa caminha em frente a letreiro do Banco Central

Juro básico da economia está em 3% ao ano, no menor patamar da história

Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo

A sinalização clara do Banco Central de que deve fazer um novo e último corte na taxa básica de juros surpreendeu economistas ouvidos pelo CNN Brasil Business, que esperam a Selic entre 2,5% e 2,25% ao ano até o fim de 2020.

No comunicado divulgado após a reunião desta quarta-feira (6), na qual intensificou o ritmo de redução da taxa para 0,75 ponto percentual, a 3% ao ano, o Comitê de Política Monetária destacou que "considera um último ajuste, não maior do que o atual, para complementar o grau de estímulo necessário como reação às consequências econômicas da pandemia da COVID-19".

O juro básico da economia está no menor patamar da história.

A principal aposta do mercado era de um corte de 0,5 ponto, seguindo a toada gradual adotada nas reuniões anteriores. Mas além de ampliar ritmo, o Copom ainda ressaltou que dois de seus integrantes propuseram uma baixa ainda maior do juro, para promover "todo o estímulo necessário de imediato".

Porém, diante das incertezas em relação à trajetória fiscal do país, que podem alterar o tamanho do espaço para o ajuste monetário, a decisão final foi por uma diminuição "mais moderada" da taxa até a próxima reunião.  

Leia também:
Selic ao menor patamar da história: bom para a economia, ruim para o câmbio

Poupança e Tesouro rendem menos com corte da taxa Selic: o que fazer?

"Esse corte de 0,75 mostrou a gravidade do ambiente econômico que a gente está vivendo", diz Gustavo Arruda, economista-chefe do banco BNP Paribas.

Arruda já contava com a possibilidade de um corte de 0,75 ponto nesta reunião e espera uma redução de 0,5 na próxima, para 2,5% ao ano, patamar em que a taxa deve permanecer até o fim de 2021.

"É uma decisão orientada por uma convicção bastante firme da necessidade de se reduzir a Selic, aceitando que no momento isso é imperativo. O BC ganha 45 dias para ver se o cenário sobre a situação fiscal do país fica mais claro, mas, pelo que entendi, vão reduzir a taxa de novo, independente do que aconteça", afirma o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves.

Ele também já esperava um corte de 0,75 agora e também prevê novo corte para 2,5% ao ano, nível em que acredita que o juro deve seguir até o fim do ano que vem. 

A economista-chefe da Claritas Investimentos, Marcela Rocha, esperava uma redução de 0,5 ponto e se disse surpresa tanto com o ritmo de corte, quanto com o tom do comunicado.

"O que nos supreendeu foi que o BC entendeu que, devida à grave crise, a conjuntura prescreve estímulo altamente elevado". Ela calcula novo corte de 0,75 ponto, a 2,25% ao ano, com o juros só voltando a subir a partir do segundo semestre de 2021.

Atividade econômica fraca

No comunicado, o BC destacou que a conjuntura atual prescreve "estímulo monetário extraordinariamente elevado".

A autoridade admitiu que a perspectiva para a retração da economia em 2020 piorou muito desde a última reunião, por conta dos efeitos da pandemia do novo coronavírus, e que isso deve baixar ainda mais a inflação, já bem comportada. Mas também manifestou preocupação quanto ao risco de deterioração das contas públicas, que poderia gerar efeito contrário nos preços. 

"Indicadores de maior frequência e tempestividade, referentes ao mês de abril, mostram que a contração da atividade econômica será significativamente superior à prevista na última reunião do Copom", diz o texto.

A produção industrial brasileira recuou 9,1% em março, segundo o IBGE, e dados preliminares de abril sinalizam que o país deve mergulhar numa recessão profunda neste ano.

"Sou cético quanto uma recuperação da economia em V. Para mim, vai ser um longo L, e quando você constrói esse cenário, a inflação é baixa. Para termos uma recuperação em V, a atividade teria que começar a se estabilizar no 3º trimestre. Não dá tempo para isso nem do lado sanitário, nem do econômico e financeiro", aponta Gonçalves, do Fator. O banco espera contração de 7% na economia brasileira em 2020. 

No BNP Paribas, a previsão é de uma contração de 4% da economia no ano e, na Claritas, está sendo revisada para 4,5%.

Impacto nos mercados

A comunicação sobre o encerramento do ciclo de cortes é importante para balizar a precificação nos mercados, que previa que os juros pudessem subir no fim do ano, aponta Arruda, do BNP Paribas. 

"Amanhã deve ter um ajuste nos preços nos mercados. Quando o Copom diz que a redução é a última, ele tenta fazer com que as pessoas não precifiquem demais", diz.