Tesouro direto se torna opção de investimento durante a crise e dispara em abril

Os títulos mais procurados pelos investidores foram aqueles indexados a taxa Selic, que representa mais de 50% das vendas

Da CNN, em São Paulo
13 de junho de 2020 às 00:17 | Atualizado 13 de junho de 2020 às 00:17

Mesmo em tempo de pandemia e juros baixos, o tesouro direto continua sendo o investimento preferido dos brasileiros. Em abril o programa do Tesouro Nacional registrou recorde histórico, com a emissão líquida de R$ 1,5 bilhão em operações de tesouro direito.

Os títulos mais procurados pelos investidores foram aqueles indexados a taxa Selic, que representa mais de 50% das vendas de tesouro direto no mês. Aplicações de até mil reais representam 61,86% das operações em abril no tesouro direto.

Assista e leia também:

Setor de shoppings investiu mais de R$ 3 bilhões para reabrir, diz Abrasce
Diversidade é aposta das empresas para retomada competitiva no pós-pandemia
Investimento em renda variável: do sobe e desce da bolsa, entenda como funciona

“O tesouro direto geralmente é a porta de entrada do investidor, principalmente pela facilidade de investir no tesouro, onde é possível comprar um título a partir de R$ 30. O ticket baixo do tesouro indica que ele é a porta de entrada para se investir,” explica Lucas Collazo, analista de tesouro da Rico.

A vantagem dele para a poupança é que enquanto o tesouro direto tem rendimento de 100% da taxa Selic, a poupança rende 70% desta taxa. Para efeito de comparação, se você investe R$ 5 mil em 5 anos, terá um retorno de R$ 5.902 pela poupança e R$ 6.420 pelo tesouro direto.

(Edição: Paula Mariane)