Após 18 semanas de piora, mercado estabiliza previsão para PIB de 2020

A previsão do mercado variou levemente de 6,51%, na semana passada, para 6,50%, nesta semana

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
22 de junho de 2020 às 08:51
 
Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Os analistas do mercado financeiro interromperam o movimento de piora nas projeções para o desempenho da economia brasileira em 2020. Após 18 semanas seguidas de expansão na contração do Produto Interno Bruto (PIB), a previsão do mercado variou levemente de 6,51%, na semana passada, para 6,50%, nesta semana. 

Os números fazem parte do relatório semanal Boletim Focus, publicado nesta segunda-feira (15) pelo Banco Central. O documento reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos.

As projeções para recessão  econômica este ano  refletem  as incertezas do mercado financeiro em meio ao avanço dos impactos da pandemia da Covid-19 na economia brasileira e mundial. 

Leia também:
FGV: Confiança da indústria no Brasil deve mostrar forte recuperação em junho
Boletim Focus, do Banco Central: o que é e como impacta o mercado financeiro
Desregulamentação e novo Bolsa Família estão na agenda pós-crise do governo

A estimativa do Banco Mundial atualizou é de uma retração de 8%. O Fundo Monetário Internacional espera queda de 5,3%. Já o Ministério da Economia, estima que o PIB caia 4,7% este ano. No entanto, a estimativa da pasta levava em conta o fim das medidas de distanciamento social em maio, o que não ocorreu.

As projeções para este ano mostram consenso de que 2020 vai registrar a pior a recessão da atividade econômica doméstica da história brasileira. Até hoje, a maior queda já registrada no PIB foi de 4,35%, em 1990, no  governo do ex-presidente Collor.

Inflação 

A previsão para o desempenho do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) também  permaneceu praticamente estável, passando de 1,60% para 1,61%. 

Ainda assim, continua abaixo do piso da meta de inflação, estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Neste ano, o centro da meta de inflação é de 4%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, podendo oscilar entre 2,5% a 5,5%.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook