Caixa expandirá trabalho remoto depois da pandemia, diz presidente do banco

Em entrevista à CNN, Pedro Guimarães diz que medida se mostrou eficiente e é uma demanda de funcionários

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
24 de junho de 2020 às 14:49 | Atualizado 24 de junho de 2020 às 14:59

O Caixa Econômica Federal vai expandir seu programa de trabalho remoto depois que o período de pandemia for superado no país, afirmou nesta quarta-feira (24) o presidente do banco, Pedro Guimarães.

Em entrevista à CNN, ele afirmou que essa modalidade de trabalho se mostrou eficiente, especialmente para segmentos que não têm tanto contato com clientes, além de ser uma demanda dos funcionários do banco estatal e ter potencial de melhorar a qualidade de vida.

"Posso adiantar para vocês, estávamos discutindo hoje: vamos expandir o home office para depois da pandemia", disse Guimarães.

Assista e leia também:

Bancos protegeram liquidez por Covid-19 e se prepararam para retomada

FGTS já rende mais do que poupança, Tesouro Selic, CDB e LCA

Ele também afirmou que a Caixa está investindo em tecnologias antifraude já que, considerando o tamanho das operações administradas pelo banco – como o pagamento do Bolsa Família e, mais recentemente, do auxílio emergencial – qualquer porcentagem dessas ocorrências é muito relevante.

"Nesses dois meses, a Caixa criou uma plataforma digital com 120 milhões de clientes e, certamente, tem uma necessidade dessa questão de controle para evitar hackers e tudo que é relacionado a isso", explicou.

Terceira parcela do auxílio

Guimarães não informou quando a terceira parcela do auxílio emergencial começará a ser paga para quem não é beneficiário do Bolsa Família porque o calendário ainda precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Assista e leia também:

Último dia para pedir auxílio emergencial é 2 de julho, diz presidente da Caixa

Pandemia acelera negócios de quem faz a transformação digital das empresas

"Nós já fechamos com o Ministério da Cidadania e precisa só da aprovação do presidente. Já temos a questão técnica [pronta], já estamos pagando para aqueles que recebem do Bolsa Família [mais de 11 milhões de brasileiros], teremos um ajuste final e o Ministério da Cidadania vai anunciar [o calendário] em breve."

Ele disse que o modelo de pagamento seguirá o das parcelas anteriores e também o de outros benefícios, com escalonamento de acordo com o mês de nascimento do beneficiário.