BC quer participação de todos os bancos no PIX para ter competição, diz diretor


Do Estadão Conteúdo
13 de julho de 2020 às 16:28 | Atualizado 13 de julho de 2020 às 17:11
Pessoa preenche dados do cartão em computador

Pessoa preenche dados do cartão em computador: PIX é uma das prioridades do BC

Foto: Shutterstock (20.jun.2020)

O diretor de Organização do Sistema Financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, afirmou nesta segunda-feira (13) que a autarquia deseja que todas as instituições financeiras participem do PIX, nome do sistema de pagamentos instantâneos previsto para entrar em vigor em novembro, e que o custo seja barato e acessível.

"É natural que as agendas evoluam e a gente foque na eficiência do sistema financeiro", afirmou Pinho de Mello, em evento virtual na tarde desta segunda-feira. "O PIX, assim como o open banking, é um dos principais pilares da agenda BC na dimensão competitividade", acrescentou.

Ele lembrou que o BC não ofertará nenhum serviço ligado ao PIX, mas sim uma plataforma "extremamente barata", que vai favorecer a competição entre instituições financeiras.

Leia também:
PIX, do Banco Central, pode acelerar fim do papel moeda e reduzir informalidade
Sistema de pagamento instantâneo do BC vai concorrer com cartão de crédito

Segundo ele, as instituições que hoje contam com mais de 500 mil contas operacionais - contas correntes e de poupança, entre outras - serão obrigadas a participar do PIX. No entanto, há um interesse bem maior por parte das instituições, mesmo entre aquelas com menos contas bancárias. "Queremos garantir que boa parte do mercado esteja lá (no PIX) e vá participar" disse.

Pinho de Mello deu ainda uma série de exemplos sobre como funcionará o PIX para o cliente de produtos financeiros. De acordo com o diretor do BC, será possível realizar transferências bancárias, em poucos segundos, 24 horas por dia, todos os dias da semana, apenas informando uma "chave" específica do recebedor do dinheiro.

A chave poderá ser um número de telefone, um e-mail ou o CPF, por exemplo. "O BC vai consultar a conta desta pessoa, o banco vai ter que autenticar (a operação) e o dinheiro passa em até dez segundos para aquela pessoa", descreveu.

Ele explicou ainda que o PIX permitirá o pagamento de contas em estabelecimentos comerciais por meio de QR code - um tipo de código lido por celulares -, com transferência imediata dos recursos para o empresário.

O diretor do BC afirmou que o custo do PIX será baixo. Segundo ele, as instituições financeiras terão que pagar R$ 0,01 a cada dez transações. "Esperamos que a competição faça com que (o custo) seja barato para o estabelecimento comercial", disse.

O evento virtual com a participação de Pinho de Mello foi promovido pelo jornal Valor Econômico.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook