Brasil registra aumento de 15% nos pedidos de seguro-desemprego no 1º semestre

A alta pela busca no benefício está atrelada aos efeitos da pandemia do novo coronavírus que deixou mais da metade dos brasileiros sem trabalho

Cecília do Lago, Bruno Oliveira e Roberta Russo, da CNN, em São Paulo
15 de julho de 2020 às 08:50 | Atualizado 15 de julho de 2020 às 08:56

Ao longo do primeiro semestre de 2020, o Brasil registrou um aumento de 15% nos pedidos de seguro-desemprego, quando comparado ao mesmo período de 2019. É o que mostra o levantamento feito pela produção da CNN, através de dados do Ministério da Economia. A alta na busca pelo benefício está atrelada diretamente aos efeitos da pandemia do novo coronavírus que, pela primeira vez na história, deixou mais da metade dos brasileiro sem trabalho, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Além do acréscimo de 15%, outro dado que chama atenção é que, comparando o mês de fevereiro, antes da pandemia, e maio, o número de pedidos aumentou em 99% - ou seja - duplicou. 

Leia também:
Solicitações de seguro-desemprego no Brasil caem 32% em junho sobre maio
Pedidos de seguro-desemprego totalizam 351.315 na 1ª quinzena de junho

Mesmo que a Medida Provisória 936, que inclui redução de jornada e salário, além de suspensão de contrato, tenha alcançado aproximadamente 1 a cada 4 trabalhadores formais, o levantamento demonstra que as demissões não foram evitadas, diante da crise econômica instaurada no país. 

Estados com mais pedidos do seguro

Entre os locais com o maior número de pedidos de seguro-desemprego, estão o Estado do Rio de Janeiro, com o aumento mais agudo entre os solicitantes, principalmente nos primeiros meses 'cheios' da pandemia, como abril e maio. 

Na sequência, a análise revela que São Paulo, Rio Grande do Sul e o Ceará também foram bem afetados pelo isolamento social – deixando, assim, mais pessoas desempregadas. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook