Bastidores da saída de Novaes do BB: cansaço, resistência interna e inquérito


Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
24 de julho de 2020 às 21:12 | Atualizado 25 de julho de 2020 às 15:51

Três motivos principais culminaram na decisão do economista Rubem Novaes de pedir demissão da presidência do Banco do Brasil.

O primeiro é de ordem pessoal. Com 75 anos, Novaes está cansado da rotina do banco e da distância dos netos, que moram no Rio de Janeiro. 

Ele já teria sinalizado há cerca de um mês ao ministro Paulo Guedes sua intenção de sair. O ministro cogita mantê-lo como assessor especial.

Leia também:

Presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes pede renúncia do cargo ao governo

Twitter e Facebook atendem STF e retêm contas de perfis bolsonaristas

Bolsonaristas 'midiáticos' dificultam articulação com Congresso, diz líder

O segundo é a resistência interna que ele enfrentava dentro do banco. Desde 2005, Novaes é o primeiro executivo a assumir o BB que não é egresso dos quadros do próprio banco.

Antes dele, exerceram a função Marcelo Labuto, Alexandre Abreu, Paulo Caffarelli e Aldemir Bendine, todos funcionários de carreira do BB.

O terceiro é o embate que Novaes vem travando com o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União, que chegou ao ápice nesta sexta-feira (24).

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, pediu esclarecimentos ao BB sobre seu investimento em mídia. O pleito foi entregue hoje na sede do banco e corre no âmbito do inquérito das fake news.

O pedido de Moraes é motivado por determinação do TCU, que paralisou o marketing digital do BB, após acusação de que o banco estaria investindo em sites que patrocinam fake News.

A avaliação de Novaes é que a decisão do TCU provoca prejuízo ao BB. O banco vem solicitando a revogação da medida.

Novaes e Dantas se estranham desde que o então presidente do Banco do Brasil disse na reunião ministerial que acabou vindo a público que o TCU é uma “usina de terror”.