Lucro da American Express cai 85% com redução de gastos com cartões corporativos

Uma das maiores emissoras de cartões de crédito corporativo nos Estados Unidos, a AmEx viu impactos do home office no seu negócio

Reuters
24 de julho de 2020 às 13:09

 

Foto: Reuters/Brendan McDermid

A American Express reportou nesta sexta-feira queda de 85% no lucro trimestral, reflexo da redução de gastos com cartão de crédito gerada pelas medidas de isolamento social. O resultado, porém, contrariou expectativas do mercado que apontavam prejuízo para o período.

A empresa, uma das maiores emissoras de cartões de crédito corporativos nos Estados Unidos, foi afetada principalmente por cortes nos gastos das grandes empresas em viagens e entretenimento após as quarentenas.

Leia também:
Boa Vista: Demanda por crédito ao consumidor sobe 6,8% em junho
Caixa lança crédito para antecipar até 3 parcelas do saque-aniversário do FGTS

O grupo global de serviços comerciais, que emite cartões corporativos e para pequenos negócios, sofreu um prejuízo de US$ 60 milhões no segundo trimestre, que se compara com um lucro líquido de US$ 561 milhões no ano anterior.

Ao todo, consumidores e empresas cortaram seus gastos com viagens e entretenimento em 87% no trimestre, com os gastos gerais em mais de um terço.

"Os volumes de gastos, que caíram para o ponto mais baixo em abril, melhoraram gradualmente em maio e junho, com as pequenas empresas sendo as mais resilientes", afirmou o CEO da empresa, Stephen Squeri.

A receita total, excluindo as despesas com juros, caiu 29,2%, para US$ 7,67 bilhões, uma queda mais acentuada do que o declínio de 24,8% previsto pelos analistas.

A AmEx disse que suas provisões consolidadas para perdas eram de 1,6 bilhão de dólares, acima dos 861 milhões do ano anterior, principalmente por causa de 628 milhões de dólares reservados em antecipação a um aumento da inadimplência como resultado de uma onda de demissões causada pelo isolamento social.

Isso deixou o grupo com um lucro líquido de US$ 0,29 por ação, abaixo dos US$ 2,07 por papel do ano anterior, mas à frente do prejuízo de US$ 0,11 por ação esperado por analistas, de acordo com a média das estimativas recolhidas pela Refinitiv.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook