Gol enfrenta crise de caixa já que ainda não há passageiros para os seus voos

A empresa está tendo dificuldades, como quase todas as companhias aéreas do mundo, devido às medidas de isolamento social que derrubaram a demanda

Marcelo Rochabrun e Alberto Alerigi Jr, da Reuters
31 de julho de 2020 às 17:34 | Atualizado 31 de julho de 2020 às 17:34
Avião da Gol aterrisa no Rio de Janeiro: empresa teve redução de 90% do seu faturamento
Foto: Sergio Moraes

A Gol disse nesta sexta-feira que seu consumo diário de caixa pode aumentar até quatro vezes nos próximos três meses em comparação ao segundo trimestre, acumulando prejuízo em 2020 que já soma R$ 4,3 bilhões.

A empresa está tendo dificuldades, como quase todas as companhias aéreas do mundo, devido às medidas de isolamento social que derrubaram a demanda por viagens aéreas. O prejuízo do segundo trimestre foi de quase R$ 2 bilhões.

Leia também: 
Apertem os cintos: S&P rebaixa nota de crédito da Gol para CCC+
Azul pode comprar Latam Brasil? Analistas do Bradesco dizem que sim

As próprias previsões da Gol mostram que, em breve, ela pode enfrentar uma crise de liquidez. A empresa aérea está programada para reembolsar a Delta Air Lines em setembro por um empréstimo avaliado em 300 milhões de dólares. Se pagar o empréstimo, poderá queimar mais caixa do que o valor que tem disponível no momento.

Atualmente, a Gol tem R$ 416 milhões em caixa e equivalentes, embora diga que sua liquidez total é muito maior, de cerca de R$ 3,3 bilhões.

Executivos da empresa afirmaram que é uma possibilidade "viável" que a Delta concorde em adiar o reembolso, mas o presidente-executivo Paulo Kakinoff não confirmou se está atualmente negociando com a companhia norte-americana.

"O apoio contínuo dos stakeholders da Gol é fundamental para garantir que a companhia mantenha os meses necessários de caixa disponível para atravessar a crise", disse a companhia em comunicado.

As rivais regionais Avianca Holdings e Latam Airlines entraram em recuperação judicial em maio, em parte por causa de dívidas que vencem no curto prazo e não devem conseguir pagar.

Kakinoff disse que a Gol não contratou assessores de reestruturação para um possível pedido de recuperação judicial e que qualquer ação desse tipo não está atualmente em seu radar.

A queima de caixa da Gol deve aumentar, no entanto, independente de a empresa pagar a Delta ou não.

A companhia aérea afirmou que queimou R$ 3 milhões em caixa por dia no segundo trimestre e que a conta vai subir para 12 milhões nos próximos três meses se pagar a Delta. Se a Gol não honrar o compromisso com a Delta, os desembolsos diários de caixa ainda assim vão dobrar para R$ 6 milhões.

Executivos disseram que o governo federal pode fornecer à Gol alguma liquidez extra, mas que levaria cerca de 60 dias para que qualquer dinheiro seja desembolsado. As negociações sobre auxílios estatais começaram quando a crise do coronavírus atingiu o país em março e os termos para um potencial empréstimo de R$ 2 bilhões ainda não foram finalizados.

Kakinoff também afirmou que a companhia espera retomar 80% das rotas domésticas até dezembro e que está operando atualmente 200 voos diários, enquanto operava 50 voos por dia no pior momento da crise, em abril.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook