Bares e restaurantes projetam triplicar vendas com novo horário em SP


Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
05 de agosto de 2020 às 20:02
Restaurante vazio em São Paulo em meio à pandemia de coronavírus

Restaurante vazio em São Paulo em meio à pandemia de coronavírus: vendas vão triplicar com o novo horário

Foto: Rahel Patrasso/ Reuters

Os bares e restaurantes estimam que suas vendas vão triplicar com a mudança de horário de funcionamento em São Paulo. O governador paulista, João Doria, anunciou nesta quarta-feira (5) que esses estabelecimentos vão poder funcionar até às 22 horas.

Pesquisada realizada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) aponta que mais da metade dos estabelecimentos estão faturando menos de 10% do volume pré-pandemia por causa da regra anterior, que restringia a operação ao horário do almoço.

Leia também:
Dólar a R$ 5,20 e Bolsa em 115 mil pontos: as previsões da XP para o fim de 2020
Auxílio emergencial deve ser estendido até o fim do ano, diz Guedes no Congresso

Com a nova determinação, que vale a partir de amanhã, a previsão do setor é atingir 30% do volume pré-pandemia, ou seja, o triplo do atual. O funcionamento segue restrito a seis horas diárias, mas bares e restaurantes vão optar por abrir de dia ou à noite ou até dividir o número de horas entre os dois períodos.

Os cálculos acima não incluem as vendas por delivery, que vem garantindo cerca 15% do faturamento anterior. Com a autorização para funcionar à noite mais o delivery, a expectativa do setor é chegar a vendas equivalentes a 45% do patamar pré-coronavírus.

O setor vinha criticando muito o governo estadual pelas restrições de horário. No Rio de Janeiro, Brasília e em outros locais, o funcionamento noturno já é autorizado. Segundo a Abrasel, 70% das vendas de bares e restaurantes ocorrem no período da noite.

“Estava muito difícil funcionar apenas durante o dia. Na capital paulista, boa parte dos almoços são corporativos. Com o home office em várias empresas, o movimento diminuiu demais”, diz Paulo Solmucci, presidente da Abrasel.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook