Big techs VS Trump: empresas criticam restrições a trabalhadores estrangeiros

Alegando proteger empregos de norte-americanos em meio à pandemia, presidente americano suspendeu a entrada de uma série de trabalhadores estrangeiros

Ted Hesson, da Reuters
10 de agosto de 2020 às 13:53
Celular com aplicativos das big techs: guerra aberta contra Donald Trump
Foto: Reuters/Regis Duvignau

Amazon, Apple, Facebook, Microsoft, Netflix, Twitter e outras empresas de tecnologia entraram nesta segunda-feira com processo contra restrições impostas pelo governo dos Estados Unidos à entrada de trabalhadores estrangeiros no país durante a pandemia.

O processo foi aberto na Califórnia. As empresas alegam que as restrições prejudicam as empresas norte-americanas e impactam a economia do país.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, emitiu em junho uma ordem para suspender a entrada de uma série de trabalhadores estrangeiros até o fim do ano, alegando proteger empregos de norte-americanos em meio à pandemia.

Leia também:
Faz sentido o Mercado Livre ser mais valioso do que a Petrobras e a Vale?
Amazon, Apple, Facebook e Google 'ignoram' pandemia e lucram mais

Entre os prejudicados pelas restrições estão trabalhadores com habilidades específicas que entravam no país com vistos de tipo H-1B e executivos e funcionários especializados que são transferidos dentro de uma mesma empresa via vistos L, ambos usados por empresas de tecnologia.

No processo, as empresas argumentam que a determinação de Trump pode causar dano irreparável às empresas, trabalhadores e economia do país e que foi baseada em uma "presunção falsa" de que serviria para proteger trabalhadores norte-americanos.

"Competidores globais no Canadá, China e Índia, entre outros, estão aproveitando oportunidades e atraindo indivíduos bem treinados e inovadores", afirmam. "E as empresas norte-americanas estão enfrentando dificuldades para se ajustarem e contratarem talentos para trabalharem em locais fora das fronteiras de nosso país".

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook