Chegada da Disney+ ao país em novembro acirra a guerra do streaming

Star Wars, Marvel e Pixar serão armas da empresa na disputa com Netflix, HBO Go, Amazon Prime e outras concorrentes

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
13 de agosto de 2020 às 19:35 | Atualizado 13 de agosto de 2020 às 19:42

Tela do Disney+, o serviço de streaming da Disney

Tela do Disney+, o serviço de streaming da Disney: mercado crescente no Brasil e no mundo
Foto: Divulgação

A guerra do streaming vai ficar mais acirrada no país daqui a três meses: o Disney+, serviço de streaming da Disney, chegará ao país em novembro, segundo comunicado da gigante de entretenimento.

O Disney+ vai brigar pelo consumidor brasileiro com a pioneira Netflix e pesos pesados como o Amazon Prime, o HBO Go, a Apple TV+ e o nacional Globoplay, entre outros. 

É um mercado crescente que rouba a cada dia uma fatia maior do tradicional segmento de TV paga.

O preço da mensalidade e a data exata de lançamento não foram revelados.

Leia também:
Netflix avisa que sem quarentena novas assinaturas vão cair 75% e ação despenca
Com parques fechados, Disney tem prejuízo de US$ 4,72 bilhões
‘Netflix do fitness’ levanta US$ 5 milhões em rodada de investimentos

O grande atrativo do Disney+ é o seu catálogo, que conta com conteúdo dos filmes Star Wars, da Marvel, dos desenhos da Pixar e do próprio catálogo da Disney, além da National Geographic.

Com a pandemia do novo coronavírus e as medidas de restrições a aglomerações, que levaram ao fechamento de parques de diversões e cinemas, a Disney passou a ter no serviço de streaming um de seus principais negócios. É um dos segmentos que mais crescem no mercado de conteúdo.

Desde que foi lançado em novembro passado nos Estados Unidos e em outros países, o Disney+ superou a marca de 57 milhões de assinaturas pagas (até o fim de junho).

O mercado global de streaming deve gerar cerca de US$ 52 bilhões em receitas em 2020, com 882 milhões de usuários, de acordo com estimativas de mercado do Statista.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook