Prévia do PIB, IBC-Br sobe 4,89% em junho, mas indica tombo de 10,94% no 2º tri

Divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (14), o resultado sinaliza a retomada da economia após forte impacto da crise causada pela pandemia

Paula Bezerra, do CNN Brasil Business, em São Paulo
14 de agosto de 2020 às 09:16 | Atualizado 14 de agosto de 2020 às 10:42

Após demonstrar recuperação em maio, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) acelerou, registrando uma alta de 4,89% em junho, mês marcado pela reabertura da economia em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro. O indicador é visto pelo mecado financeiro como uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB). Em comparação com o mesmo período de 2019, porém, o índice recuou 7,05%.

Divulgados pelo Banco Central (BC) nesta sexta-feira (14), o resultado sinaliza a retomada da atividade econômica após forte impacto causado pela pandemia da Covid-19. A alta vem acima do que o mercado esperava. Analistas da Reuters aguardavam uma alta de 4,7%, enquanto os economistas da LCA apontavam um crescimento de 3,9%. 

Mas, embora tenha demonstrado alta em junho, o dado já indica o tamanho do tombo na atividade econômica para o segundo trimestre do ano. Segundo o Banco Central, a economia brasileira registrou um tombo de 10,94%, puxado, principalmente, pelo mês de abril. 

Leia também:
A retomada será pelo investimento em infraestrutura, diz Vescovi, do Santander
O teto de gastos é o que permite inflação e juros baixos, diz Mesquita, do Itaú
Brasil vai precisar de segundo pacote de estímulos, diz Mendonça de Barros

Pessoas com máscaras faciais caminham em rua de comércio popular em São Paulo durante pandemia de Covid-19
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (15.jul.2020)

Já no acumulado dos últimos 12 meses, o indicador teve queda de 2,55%. A pontuação do índice, que serve de parâmetro para analisar o ritmo da economia brasileira, passou de 120,49 em maio para 126,38 em junho, na série dessazonalizada.

Vale destacar que os dados do setor de serviços e da indústria, divulgados nos últimos dias, surpreenderam positivamente. No caso da indústria, a alta foi de 8,9%, com recuperação em 24 de 26 setores analisados. Já o setor de serviços, após quatro meses consecutivos de queda, apresentou alta de 5%, um dos melhores resultados históricos para o mês de junho. 

PIB para 2020 e o efeito pandemia

Já o mercado financeiro, passou por uma série de reavalições e, em sua nona revisão consecutiva, prevê uma queda de 5,62% para o PIB de 2020. A projeção de tombo já foi acima de 6%.

Enquanto isso, o Ministério da Economia mantém a previsão e estima que o PIB em 2020 recuará 4,7%. No entanto, a estimativa da pasta levava em conta o fim das medidas de distanciamento social em maio, o que não ocorreu. 

Com expectativas mais pessimistas, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), projetam tombos de 8% e 9,1%, respectivamente, para o desempenho da atividade econômica do Brasil.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook