Tarifa da B3 para pequeno investidor será zerada só em 2021

Medida estava prevista para este mês, mas foi adiada; Bolsa de São Paulo possui mais de 2,8 milhões de CPFs inscritos

Da CNN
17 de agosto de 2020 às 10:49

A nova política de tarifas da B3 para pequenos investidores foi adiada para janeiro do próximo ano. Com as mudanças, a taxa de manutenção da conta, que atualmente custa R$ 110 ao ano, será zerada. A Bolsa de São Paulo possui mais de 2,8 milhões de CPFs inscritos.

De acordo com a B3, cerca de 65% dos investidores terão acesso ao benefício com a implementação da nova política. Além da alteração na taxa, a tarifa cobrada na negociação de ações terá queda de 10% com o novo acordo. Clientes com até R$ 20 mil investidos com a mesma corretora ficará isento de demais taxas.

Leia também:
Bolha na Bolsa? Para CEO da B3, preços não refletem irracionalidade
Bolsa ganha 900 mil novos investidores durante a pandemia
Boom de ofertas de ações e de títulos faz B3 ter alta de 36% no lucro trimestral

Funcionário caminha pelos corredores da B3
Foto: Leonardo Benassatto/Reuters

À CNN, Luis Sales, economista da Guide Investimentos, afirmou que, além dos impactos da Covid-19, a frequente redução da taxa básica de juros, promovida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), tornou a renda variável mais atrativa.

"Temos dois principais fatores sobre estas mudanças. O primeiro deles é em relação ao corte de juros que o Copom realiza desde o ano passado, o que levou a taxa básica de juros a 2% ao ano. Isso acaba diminuindo a atratividade dos investimentos de renda fixa e, consequentemente, eleva a atratividade da renda variável", pontua. 

E complementa: "Outro fator é a crise de Covid-19. No início dessa pandemia nós vimos os ativos negociados na Bolsa sofrerem uma forte queda o que levou grande parte dos investidores a observar a queda como uma oportunidade de entrada para o mercado variável", finaliza.

(Edição: André Rigue)