Disney+ chega ao país em 17 de novembro; entenda o impacto para a Netflix


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
18 de agosto de 2020 às 17:20 | Atualizado 20 de agosto de 2020 às 12:41

A guerra do streaming no Brasil vai ganhar um novo competidor de peso no dia 17 de novembro.

É a data de estreia da Disney+ no país, momento em que o serviço vai bater de frente com a pioneira Netflix e pesos pesados como Amazon Prime, HBO Go e Apple TV+. O preço da mensalidade ainda não foi confirmado; no mercado, especula-se algo na faixa de R$ 29.

É um mercado crescente que rouba a cada dia uma fatia maior do tradicional segmento de TV paga.

No mercado formado por Estados Unidos e Canadá, a estreia da Disney+ e da Apple TV+ no quarto trimestre de 2019 fez o ritmo de crescimento em novos usuários da Netflix enfraquecer.

Leia também:
Netflix vê 'efeito pandemia' perder força e fica atento ao avanço do TikTok
Alibaba deve contratar 5 mil funcionários para suprir demanda por streaming

Tela do Disney+, o serviço de streaming da Disney

Tela do Disney+, o serviço de streaming da Disney

Foto: Divulgação

A explicação é que, embora na média os usuários nos Estados Unidos assinem mais de um serviço, eles não mantêm contas em todos que existem à disposição.

O grande atrativo do Disney+ é o seu catálogo, que conta com conteúdo dos filmes Star Wars, da Marvel, dos desenhos da Pixar e do próprio catálogo da Disney, além da National Geographic.

Desde que foi lançado em novembro passado nos Estados Unidos e em outros países, o Disney+ superou a marca de 57 milhões de assinaturas pagas (até o fim de junho).

O líder do mercado globalmente ainda é a Netflix, com 193 milhões de assinantes pagos.

O mercado global de streaming deve gerar cerca de US$ 52 bilhões em receitas em 2020, com 882 milhões de usuários, de acordo com estimativas de mercado do Statista.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook