Greve dos Correios afeta entregas de micro e pequenas empresas pelo país

Grandes empresas de e-commerce estão conseguindo manter os prazos graças ao investimento nos próprios centros de distribuição

Da CNN
21 de agosto de 2020 às 13:59 | Atualizado 21 de agosto de 2020 às 14:02

Em meio à greve dos Correios, dados do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) mostraram que 65% das micro e pequenas empresas estão precisando dos serviços para entregarem os produtos. 

Dona de uma loja online de roupas femininas, a empreendedora Isabela Matte falou à CNN, nesta sexta-feira (21), sobre as dificuldades que tem enfrentado por causa da paralisação, que entrou no quarto dia.

"Ainda é cedo para dar um número mensurado do estrago, mas começamos a notar que, em São Paulo, onde a entrega era de um dia útil, passou para três dias úteis", relatou. A empresária ainda estimou que poderá medir melhor o efeito da paralisação nos negócios em cerca de duas semanas.

Leia e assista também:

Funcionários dos Correios entram em greve em todo o país
Reclamações contra Correios aumentam 400%, diz Procon-SP
Correios e funcionários divergem sobre impacto da greve; STF julga acordo na 6ª

A empreendedora Isabela Matte fala à CNN sobre o impacto da greve nas entregas da loja online dela
Foto: CNN (21.ago.2020)

"O que a gente percebeu que faz toda a diferença é falar para o cliente o que realmente está acontecendo, dar uma expectativa real de entrega, dar todo o suporte necessário com o pós-venda e entregar algo mais, um presente ou um bilhete, para ele sentir que você está se preocupando com ele", indicou.

Na contramão dos micro e pequenos empresários, grandes empresas de e-commerce estão conseguindo manter os prazos apesar da paralisação graças ao investimento nos próprios centros de distribuição.

Como parte de uma estratégia para o aumento das compras online durante a pandemia, as empresas de e-commerce também ampliaram capacidade de distribuição, o que acabou servindo como reforço para esta situação.

Nesta sexta-feira (21), o Supremo Tribunal Federal (STF) entra na questão da greve ao julgar um acordo trabalhista coletivo em que a empresa limitou benefícios, como vale refeição e creche.

(Edição: Leonardo Lellis)