Mercado melhora projeção para o PIB em 2020 e prevê queda de 5,46%, ante 5,52%

Os analistas também revisaram a previsão para o IPCA. A estimativa para a inflação oficial avançou de 1,67% para 1,71%

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
24 de agosto de 2020 às 08:52 | Atualizado 24 de agosto de 2020 às 08:55
Sede do Banco Central, em Brasília (16.mai.2017)
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Os economistas do mercado financeiro reduziram, pela oitava semana consecutiva, a previsão para o tombo do Produto Interno Bruto (PIB) de 2020. A estimativa passou de contração de 5,52% para queda de 5,46%. No fim de junho, a projeção de queda alcançou o pico de 6,54%. 

Os números são do relatório semanal Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (17) pelo Banco Central. O documento reúne a estimativa de mais de 100 instituições do mercado financeiro para os principais indicadores econômicos. 

Leia também: 
'É cedo para falar de restabelecimento imediato da economia', diz Ferraz, do BTG
País pode ficar condenado ao baixo crescimento por muitos anos, diz Ramos

A expectativa para o desempenho da atividade econômica em 2020 reflete os impactos da pandemia da Covid-19, na economia nacional e mundial, que também caminha para uma recessão. As tendências de melhora nas previsões das últimas semanas, porém, refletem os dados positivos de indicadores macroeconômicos recentes. 

Nas últimas semanas, a indústria reportou alta de 8,9% no mês de junho. Segundo o IBGE, o avanço no mês foi generalizado em todas as grandes categorias econômicas, e em 24 dos 26 setores pesquisados. Já o setor de serviços, último a demonstrar recuperação, registrou alta de 5% em junho, após quatro meses de retração

Já na sexta-feira (21), dados do Ministério da Economia apontaram que o Brasil abriu 131.010 postos formais de trabalho com carteira assinada. O resultado é ainda maior do que o registrado em 2019, quando o país havia criado 43.820 postos. Foi o primeiro resultado positivo desde fevereiro, ou seja, desde que a pandemia do novo coronavírus chegou com força ao país.

Agora, o mercado espera o resultado oficial do PIB para o segundo trimestre para dimensionar o tamanho do rombo que a pandemia provocará na economia do país. O dado será divulgado pelo IBGE na terça-feira (1º) e deve apresentar uma retração de dois dígitos.

Estimativas do IBC-Br, índice de atividade econômica do BC considerado uma prévia do PIB, por exemplo, projetam um tombo de 10,9% na atividade econômica. Caso confirmada, a queda sinaliza o início de uma recessão técnica no país, que já registrou retração de 1,5% no primeiro tri. 

Enquanto isso, o Ministério da Economia decidiu manter sua projeção de queda do PIB no acumulado do ano em 4,7%. Segundo o ministério, a decisão foi pautada justamente pela melhoria dos indicadores citados acima, refletindo um efeito positivo das medidas emergenciais adotadas até então. Desde então, a equipe econômica tem dito que as previsões com queda acima dos 6% terão que ser revistas. 

Já o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) seguem com previsões de tombo de até 8% e 9,1%, respectivamente. 

Inflação 

Os analistas também revisaram a previsão para o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A estimativa para a inflação oficial avançou de 1,67% para 1,71%. 

O número segue abaixo do centro da meta de 2020, de 4,00%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual, ou seja, podendo variar de 2,50% a 5,50%. 

A meta é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e, para persegui-la, o BC eleva ou reduz a taxa de juros básica, a Selic. Atualmente, a Selic está na mínima histórica, a 2% ao ano. Quando a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões.

Taxa Selic 

Para este ano, o mercado prevê a manutenção do atual patamar da taxa básica de juros da economia. Assim, a projeção é de que a Selic permanece na mínima histórica de 2% ao ano até o fim de 2020

Para o fim de 2021, a estimativa do mercado retornou para 3% ao ano. Na semana passada, as previsões tinham recuado para 2,75% a.a. Apesar de esperar uma alta dos juros no próximo ano, a projeção do mercado sinalizar que o movimento será de forma gradual.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook