Bolsonaro diz que discorda de propostas de Guedes para o Renda Brasil


Murillo Ferrari da CNN, em São Paulo
26 de agosto de 2020 às 13:44

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (26) discordar da proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de acabar com o abono salarial e afirmou que o projeto Renda Brasil, apresentado a ele, na véspera, pela equipe econômica não será enviado ao Congresso.

"Bem como, quando se fala na imprensa, onde [sic] discutimos a possível proposta do Renda Brasil. Ontem, falei: 'tá suspenso, vamos voltar a conversar'. A proposta que a equipe econômica apareceu pra mim não será enviada ao Parlamento", disse Bolsonaro ao participar da cerimônia de religamento do alto-forno 1 da Usiminas, em Ipatinga (MG). 

"Não posso tirar de pobres para dar para paupérrimos. Não podemos fazer isso aí. Como por exemplo a questão do abono para quem ganha até 2 salários mínimos. Seria, né, um 14º salário. Não podemos tirar isso de 12 milhões de pessoas para dar para um Bolsa Família ou Renda Brasil, seja lá o que for o nome desse novo programa", completou.

Assista e leia também:
Bolsonaro diz que espera definir até sexta valor para renovação do auxílio
Bolsonaro se reúne com deputados para discutir possível retorno ao PSL
Rogério Marinho sobre programa Renda Brasil: Bolsonaro baterá o martelo na sexta
Renda Brasil de R$ 300? Só cortando deduções do IR, diz Guedes

O presidente disse que a única forma de o país evitar o "insucesso" é começar a produzir e a gerar empregos, definidos por ele como o "melhor programa social que existe". 

Sobre o auxílio emergencial de R$ 600 pago pelo governo federal em razão da pandemia do novo coronavírus, o presidente voltou a dizer que o valor que será pago, até dezembro, na segunda prorrogação do benefício ainda, está em discussão com a equipe econômica.

"Não podemos, ad eternum, bancar 65 milhões de pessoas com R$ 600, R$ 1.200 e algumas até com R$ 1.800 por mês. Resolvemos então, estendê-lo até dezembro. O valor não será R$ 200 nem R$ 600", afirmou.

Retomada da Usiminas

O presidente foi a Ipatinga para o religamento do forno da Usiminas. "Estou muito feliz de estar como uma empresa como essa, um orgulho nacional e uma das melhores empresas do Brasil, que leva divisas, traz divisas e produz aqui o que interessa a nossa construção de maneira geral", afirmou Bolsonaro.

A siderúrgica reativou nesta quarta seu principal reator químico, o alto-forno 1, que estava desativado desde abril em consequência da crise provocada pelo novo coronavírus.

Bolsonaro discursa durante evendo da Usiminas

Bolsonaro discursa durante evento para o religamento do alto-forno 1 da Usiminas, em Ipatinga (MG)

Foto: Reprodução/ CNN (26.ago.2020)

Segundo a empresa, o evento representa “a retomada da produção e das expectativas da indústria brasileira” – a produção siderúrgica no país, segundo o Instituto Aço Brasil, registrou aumento de 3,5% em relação a 2019.

"Hoje é um dia de alegria para todos nós. A retomada da economia brasileira já é uma realidade e o setor aço participa ativamente", disse Sergio Leite, presidente da Usiminas. "Estamos retomando a operação no alto-forno 1 da Usinaminas, símbolo da nossa empresa (...) que representa para nós um marco extremamente importante. Esse forno, a partir dele, produzimos nos 58 anos de operação, muita riqueza para nosso país, para nossa região, o Vale do Aço, uma das regiões mais desenvolvidas do nosso estado", completou.

Já o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), se disse feliz de, finalmente, receber Bolsonaro no estado em "uma pauta positiva". "Estamos aqui hoje reinaugurando o alto-forno 1 e estamos também no momento de otimismo. A pandemia em MG começa a dar sinais claros de que tanto os números de casos quanto de óbitos estão em declínio", disse.

Zema afirmou ainda que o país "não pode ser dar ai luxo de criminalizar as atividades produtivas".  "Precisamos, sim, dar condições dignas para quem trabalha e preserva o meio ambiente, mas falar que uma empresa é criminosa porque produz riqueza, não. Precisamos mudar essa cultura."

(A repórter Débora Freitas viajou a Ipatinga a convite da Usiminas)