Nada que desrespeite o teto de gastos será votado, diz Maia sobre o Renda Brasil

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, falou em coletiva de imprensa sobre o Renda Brasil

Da CNN, em São Paulo
26 de agosto de 2020 às 15:46 | Atualizado 26 de agosto de 2020 às 15:54

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), falou em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (26) sobre o programa Renda Brasil e afirmou que nada que desrepeite o teto de gastos será votado pelos parlamentares.

"Alguma solução para uma parte da sociedade, além do Bolsa Família, vai ter que ser encontrada. E esse caminho vai ter que ser organizado dentro do teto de gastos do próximo ano. Para isso, não tem jeito. Não adianta criar uma receita se não tiver respeitando o teto de gastos", reiterou.

Hoje mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse discordar da proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de acabar com o abono salarial, e afirmou que o projeto Renda Brasil, apresentado a ele na véspera pela equipe econômica, não será enviado ao Congresso.

Para Maia, o que precisa ser feito neste momento é "organizar a casa", especilamente dentro do governo.

"O que eu acho que tem problema é ficar discutindo e avançando ideias que ainda não estão consolidadas e autorizadas pelo presidente da República", falou.

Assista e leia também:

Bolsonaro e Maia se reúnem no Palácio da Alvorada para discutir pauta econômica

Bolsonaro diz que discorda de propostas de Guedes para o Renda Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)
Foto: CNN (26.ago.2020)

Diante da realidade que o país enfrenta, falou o presidente da Câmara, “todos nós em conjunto temos que encontrar os caminhos” para atender não apenas as 13 milhões de famílias que estão no Bolsa Família, mas todo o cadastro único – que atinge mais de 25 milhões de famílias.

Sobre a prorrogação do auxílio emergencial, Maia afirmou que a Câmara irá avaliar “com todo o cuidado e preocupação” que esse tema precisa, "já que o valor do auxílio tem um custo mensal muito alto, e que a gente sabe da dificuldade do orçamento público para que isso seja mantido até o final do ano”.

(Edição: Sinara Peixoto)