Passageiros sem máscaras podem ser retirados de voos, diz associação das aéreas

Na carta divulgada, a Iata argumenta que 'a passagem aérea é um contrato no qual o passageiro concorda com os termos e condições de transporte da companhia'

Gustavo Lago, da CNN, em São Paulo
26 de agosto de 2020 às 05:00 | Atualizado 26 de agosto de 2020 às 14:12

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês), alertou em carta divulgada nesta terça-feira (25) que passageiros sem máscara de proteção contra Covid-19 podem ser retirados de voos, serem impedidos de embarcarem em voos posteriores ou até multas, conforme a legislação de cada país.

A Iata afirma que, de acordo com relatos recentes, uma pequena parcela dos passageiros se recusa a atender as recomendações de segurança da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) durante os voos.

“O não cumprimento pode colocar em risco a segurança de um voo, interromper a experiência de viagem de outros passageiros e afetar o ambiente de trabalho da tripulação", disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata.

A associação representa 290 empresas áreas de todo o mundo. Na carta divulgada, a Iata argumenta que "a passagem aérea é um contrato no qual o passageiro concorda com os termos e condições de transporte da companhia". 

"Essas condições podem incluir o direito da companhia áerea de se recusar a transportar uma pessoa cujo comportamento interfira no voo, viole os regulamentos governamentais ou faça com que outros passageiros se sintam inseguros", completa a entidade.

Companhias brasileiras

No Brasil, a decisão caberá a cada companhia, informa a Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), sendo que o documento emitido pela Iata tem poder de recomendação às empresas associadas.

Procuradas pela CNN, as três maiores companhias brasileiras afirmam que não permitirão o embarque de passageiros sem máscara.

Assista e leia também:

Companhias aéreas e aeroportos se adaptam aos novos protocolos de higiene

American Airlines diz que pode demitir 40 mil se não receber auxílio dos EUA

Setor aéreo do país já começa a ver demanda crescer durante a pandemia (12.jul.2020)
Foto: CNN Brasil

A Latam diz que a verificação acontece em três oportunidades. A primeira na área de segurança aeroportuária, a segunda no embarque e a terceira já a bordo do avião.

A Gol relatou que quem não estiver de máscara não poderá embarcar, e o cliente que tirá-la durante o voo será orientado pelos tripulantes. Se, mesmo após a orientação dos comissários, houver recusa de uso, a tripulação vai tratar caso a caso.

A Azul também explica que, por motivos de segurança, clientes que descumprirem a medida serão impedidos de embarcar.