Vale e Petrobras ultrapassam Mercado Livre como mais valiosas da América Latina


André Jankavski e Natália Flach, do CNN Business Brasil, em São Paulo
09 de setembro de 2020 às 11:58 | Atualizado 09 de setembro de 2020 às 17:40

A derrocada das ações de tecnologia nas últimas três sessões alterou o ranking das empresas mais valiosas da América Latina. A Vale e Petrobras retomaram as primeiras colocações, ficando à frente da varejista online Mercado Livre, que havia assumido a liderança em agosto. Entre 1° e 8 de setembro, a empresa argentina perdeu US$ 9,3 bilhões.

De acordo com levantamento feito pela consultoria Economatica, a pedido do CNN Brasil Business, a Vale tem valor de mercado de US$ 56,6 bilhões, seguida pela Petrobras, com US$ 54,4 bilhões, e pelo Mercado Livre, com US$ 50,8 bilhões.

"O Mercado Livre assumiu o posto de mais valiosa dois dias antes da divulgação de resultados. O balanço veio bom, mas é a velha máxima: a ação sobe no boato e cai no fato", afirma Henrique Esteter, analista da Guide. A realização dos papéis começou ali, mas se intensificou na semana passada com a queda dos índices americanos Nasdaq e S&P 500, que até então eram negociados nas máximas históricas.

Leia também:
Mercado Livre mais valioso na América Latina? Demorou para acontecer, diz COO
Mercado Livre mais que triplica lucro líquido no 2º tri, a US$ 55,9 milhões

Ao mesmo tempo, os preços do minério se mantiveram estáveis, o que ajudou a Vale a retomar a liderança do ranking. "A companhia voltou ao patamar pré-pandemia", afirma Lucas Carvalho, analista da Toro. "Já a Petrobras ainda está sendo negociada com desconto, o que dá margem para novas valorizações."

Apesar da resiliência do preço do minério nos últimos meses, dados da China acenderam um alerta na segunda-feira (7). É que a importação da commodity caiu 10,9% no país em agosto ante julho. "Isso gerou uma dúvida se haverá capacidade para absorver toda a produção e explica a queda de 2,02% dos papéis da Vale ontem", diz Carvalho.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook