Investimento de longo prazo busca retorno mais atrativo em tempos de Selic baixa


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
21 de setembro de 2020 às 07:00
Podcast O Que Eu Faço

CNN tem podcast para tirar dúvidas sobre investimentos em tempos de crise

Foto: CNN Brasil

Os investimentos de longo prazo são opções mais rentáveis em um cenário de juros baixos como o atual. Com a Selic no menor patamar da história, o investidor deve reservar parte de sua carteira para ativos que ofereçam rentabilidade no decorrer de vários anos. É o caso da previdência privada, por exemplo, que, por contar com incentivos fiscais, acaba proporcionando um retorno maior.

Mas como escolher os produtos para investir? Luciane Effting, superintendente executiva de investimentos do Santander, explica que, ao montar a carteira de ativos, é necessário atrelar as escolhas a objetivos, como a manutenção do padrão de vida durante a aposentadoria ou a compra de um imóvel. 

Leia também:
Fundos de previdência privada têm retorno até 40% menor. Ainda valem a pena?
Renda fixa: Títulos de longo prazo pagam mais, mas precisam de planejamento

"A estratégia de comprar e segurar (ou 'buy and hold' no termo em inglês) exige uma dose de paciência. É que os ativos de risco estão sempre sujeitos a oscilações de mercado e obviamente podem passar por períodos de desvalorização", afirma a especialista. Segundo Effting, o investidor precisa ter resiliência para não resgatar o valor investido nesses momentos de baixa. 

No novo episódio do podcast “O que eu faço?”, Effting explica que, em geral, investimentos com pouca liquidez (ou seja, com maior período para resgate) costumam ter rentabilidades mais interessantes. Um exemplo disso na renda fixa são as letras de crédito imobiliário (LCI) e letras de crédito ao agronegócio (LCA).

"São produtos de baixo risco, isentos de imposto de renda, que podem oferecer ou não liquidez depois de 90 dias de carência obrigatória. Uma letra sem liquidez, em geral, oferece uma taxa mais atrativa."

Ouça também:
Confira aqui todos os episódios do "O que eu faço?"

Antes de escolher os investimentos de longo prazo, no entanto, é recomendável ter uma reserva de emergência para imprevistos. Neste caso, os produtos indicados têm liquidez diária. "O segundo passo é preparar a complementação de renda para manter o padrão de vida depois que aposentar", explica Effting.

Ouça o novo episódio do podcast “O que eu faço?”, apresentado por Fernando Nakagawa, diretor do CNN Brasil Business e pela apresentadora Luciana Barreto, para conhecer todas as recomendações de Luciane Effting sobre investimentos de longo prazo.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook