Fim do auxílio emergencial pode desacelerar retomada econômica, avalia Copom

Os programas emergenciais lançados pelo governo têm permitido que a economia brasileira se recupere mais rapidamente quando comparado a outros países emergentes

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
22 de setembro de 2020 às 09:03
Aplicativo para receber auxílio emergencial do Governo Federal
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (21.jul.2020)

O Comitê de Política Monetária (Copom) acredita que, apesar dos indicadores macroeconômicos recentes sugerirem a recuperação parcial da atividade econômica, a redução dos auxílios emergenciais, a partir do final do ano, elevam a incerteza sobre a velocidade de retomada da economia.

A análise está na ata da 233ª reunião do Comitê, realizada nos dias 15 e 16 de setembro, publicada nesta terça-feira (22). No encontro, o Copom optou pela manutenção do atual patamar da Selic, em 2% ao ano. 

“O Comitê ponderou que esta imprevisibilidade e os riscos associados à evolução da pandemia podem implicar um cenário doméstico caracterizado por uma retomada ainda mais gradual da economia”, avaliou. 

Leia também:
Caixa atinge marca de R$ 200 bilhões em repasses do auxílio emergencial
Investimento de longo prazo busca retorno mais atrativo em tempos de Selic baixa
Selic só volta a subir se o governo gastar demais e inflação parece passageira

Segundo o Copom, os programas emergenciais lançados pelo governo para a recomposição de renda têm permitido que a economia brasileira se recupere mais rapidamente quando comparada as economias de demais países emergentes. 

Com redução de valor de R$ 600 para R$ 300, as últimas parcelas do auxílio emergencial já funcionam como uma transição para o fim do programa. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a desistência do governo federal de criar um novo programa social que acolha os atuais beneficiários do auxílio emergencial. No entanto, alguns dias depois, o presidente deu o aval para que o Congresso inclua o programa no texto do Orçamento de 2021. 

Por outro lado, o Comitê destacou que atividades do setor de serviços, principalmente aquelas mais diretamente afetadas pelo distanciamento social, permanecem deprimidas.

Cenário internacional

O Copom  destacou  que  a retomada da atividade nas principais economias, junto à  moderação na volatilidade dos ativos financeiros, tem resultado em um ambiente mais favorável para economias emergentes. 

No entanto, ele alertou  para incertezas  em relação à evolução desse cenário benigno. "Uma possível redução abrupta e não organizada dos estímulos governamentais pode atrasar a recuperação da demanda por bens e o processo de recomposição de estoques", pondera. Além disso, o Comitê alerta para a própria evolução da pandemia da Covid-19 como um  fator limitante para o pleno  funcionamento do setor de serviços.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook