Locaweb adquire empresa de tecnologia Social Miner de olho no e-commerce


Natália Flach, Do CNN Brasil Business, em São Paulo
23 de setembro de 2020 às 10:31
Internet

Locaweb: ações da companhia subiram 195% desde a abertura de capital, em fevereiro

Foto: LinkedIn Sales Navigator

A Locaweb, empresa de serviços de internet, adquiriu a Social Miner, companhia que oferece tecnologia e soluções para e-commerces e varejistas que permite interações em tempo real com os visitantes. Entre as clientes da Social Miner, estão Natura, Wine, Kabum, Droga Raia e Drogasil. O valor da operação não foi divulgado.

É a primeira aquisição depois da abertura de capital da Locaweb, realizada em fevereiro deste ano. De lá para cá, as ações da companhia subiram 195%.

Leia também:
Ações da Locaweb dobram de valor em meio à pandemia: qual o segredo da empresa?
Localiza e Unidas anunciam fusão; acordo depende de aprovação do Cade

"Estamos falando de uma solução que complementará o nosso portfólio, com potencial de gerar cross sell [venda cruzada] e consistente com a estratégia da companhia de oferecer o maior e mais completo ecossistema para apoiar nossos varejistas no processo de aceleração de suas vendas", afirma Fernando Cirne, CEO da Locaweb, em nota.

Em entrevista ao CNN Brasil Business, em julho, Cirne havia dito que estava de olho em empresas que pudessem "agregar novas integrações para o mercado de e-commerce". Até o momento, já foram mais de 120 funcionalidades instaladas no sistema.

Ele explicou que, quando realizam aquisições, olham para a maturidade dos negócios, buscando empresas estabelecidas e num estágio avançado de desenvolvimento. Além disso, afirma que não querem somente comprar o produto, mas também que as equipes sejam incorporadas e trabalhem diretamente juntas. Entre os setores que pretende melhorar, Fernando cita logística, serviços financeiros e serviços de marketing.

Com este planejamento, a companhia tem animado o mercado financeiro. A XP elevou o preço-alvo dos papéis da empresa para R$ 55 (de R$ 26) no final de 2020 e passou a recomendar a compra do ativo. O analista de varejo da corretora, Pedro Fagundes, o crescimento do e-commerce e a possibilidade de novas aquisições devem puxar o papel para cima.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook