Hidrovias do Brasil levanta R$ 3,4 bilhões em IPO

A empresa de logística precificou suas ações a R$ 7,56 cada, no piso de sua faixa estimada de preço

do CNN Brasil Business, em São Paulo*
24 de setembro de 2020 às 10:22 | Atualizado 24 de setembro de 2020 às 17:38

Homens na B3, em São Paulo: ações da Hidrovias do Brasil foram precificadas no piso da faixa indicativa

Foto: Reuters/Rahel Patrasso

Acionistas da Hidrovias do Brasil levantaram R$ 3,4 bilhões em uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) nesta quinta-feira (24). As informações foram coletadas a partir de dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A empresa de logística precificou suas ações a R$ 7,56 cada, no piso de sua faixa estimada de preço.

Leia também:
Falconi quer ir além de Lemann e Abilio: os alvos agora são as médias empresas
BR Partners cancela IPO devido à volatilidade dos mercados

Os acionistas da Hidrovias do Brasil incluem fundos de private equity administrados pelo Patria Investimentos, o BNDES e a International Finance Corporation do Banco Mundial. Já os coordenadores da oferta são os bancos de investimento  Bank of America, Itaú BBA, Santander Brasil, Morgan Stanley, BTG Pactual, Citi e Credit Suisse.

De acordo com avaliação da equipe de análise da Suno Research, o resultado da Hidrovias agradou o mercado. Segundo o time, só o fato da empresa ter levado adiante o IPO já é um sinal positivo, principalmente por se tratar de um dos maiores IPOs do ano. Ainda assim, avalia que o resultado foi um pouco abaixo do esperado.

"Acreditamos que o resultado está um pouco abaixo do esperado, que seria o centro da faixa. A empresa precisou ir no piso mínimo da faixa indicativa, mas o fato de conseguir ter feito já é uma vitória para a empresa", diz a equipe, em nota. "É difícil prevermos algo para os primeiros dias, porque o primeiro dia de abertura é sempre muito volátil. Desde empresas como Petz, subindo 24% no primeiro dia, até empresas como D1000, que caíram 30%", conclui.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

(Com Reuters)