Alcolumbre adia novamente sessão de análise dos vetos de Bolsonaro

Segundo o comunicado divulgado pelo Congresso, não havia “entendimento suficiente por parte das lideranças”

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
30 de setembro de 2020 às 11:26 | Atualizado 30 de setembro de 2020 às 18:04

O presidente do Senado, David Alcolumbre, adiou novamente a análise dos vetos do presidente Jair Bolsonaro que estava marcada para esta quarta-feira (30).

Segundo o comunicado divulgado pelo Congresso, não havia “entendimento suficiente por parte das lideranças”.

Leia também:
Com veto, Bolsonaro sanciona prorrogação de isenção tributária para exportação
Desemprego atinge máxima histórica e sobe para 13,8% em julho, diz IBGE
Guedes diz a aliados que teto é "última barreira" de missão à frente da pasta

Os mais importantes são os vetos da desoneração da folha de pagamento e da nova lei do saneamento. A chance do governo perder a batalha é muito expressiva.

Bolsonaro vetou a prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia até o final de 2021. O custo estimado da medida é de R$ 10 bilhões em dois anos.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vem pedindo mais tempo para a apreciação do veto com o argumento de que vai apresentar uma proposta ampla de desoneração da folha na segunda fase da reforma tributária.

A expectativa era que a proposta da equipe econômica viesse na segunda-feira, mas não houve consenso sobre a criação de um imposto de transações digitais - uma nova CPMF - para financiar a desoneração.

Com o impasse, os setores insistiram para Alcolumbre para colocar o veto em votação, o que chegou a acontecer ontem à noite. 

Mas agora ele voltou atrás novamente, porque representaria mais uma dura derrota para o governo no âmbito fiscal. Representantes dos setores ouvidos pela CNN disseram que vão renovar a pressão para votar em breve.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook