Alibaba investe US$ 3,6 bi para controlar supermercadista em disputa contra a JD

O aumento de sua participação no Sun Art sinaliza que o Alibaba está forçando uma “digitalização acelerada” dos consumidores chineses pós-pandemia

Sherisse Pham, do CNN Business, em Hong Kong
19 de outubro de 2020 às 14:59
Fachada de prédio da Alibaba, maior provedora de nuvem de dados da Ásia (18.nov.2019)
Foto: Aly Song/Reuters

O Alibaba assumiu o controle acionário de uma das principais redes de supermercados da China. A gigante chinesa vem tentando se defender da rival JD.com no setor dos supermercados online, em rápido crescimento no país.

O Alibaba está investindo 28 bilhões de dólares de Hong Kong (US$ 3,6 bilhões) para aumentar sua participação no Sun Art Retail Group de 36% para 72%, disse a empresa em um comunicado na segunda-feira (19). O Alibaba fará então uma oferta aos acionistas para comprar o restante da empresa de varejo.

Leia também:
EUA estuda sanções contra o Ant Group; empresa do Alibaba não parece preocupada
Alibaba, Baidu: saiba como investir em fundos e ações de empresas da China

A notícia fez com que as ações do grupo Sun Art subissem quase 20% em Hong Kong. As ações listadas do Alibaba em Hong Kong subiram cerca de 1%.

O Alibaba está em uma batalha feroz com a rival JD.com (JD) pelo mercado de alimentos online da China. Durante uma campanha de vendas em junho, a JD disse que as vendas de alimentos online dobraram em relação ao ano passado.

Os gigantes do comércio eletrônico estão usando uma mistura de supermercados físicos e plataformas online para conquistar os consumidores. Por meio de parcerias com o Walmart na China e a cadeia de supermercados local Yonghui, a JD tem uma rede de lojas físicas em todo o país que funcionam como armazéns e centros de distribuição.

O Alibaba tem uma operação semelhante, usando sua rede de supermercados Freshippo e lojas do grupo Sun Art para armazenar e entregar mantimentos vendidos online.

O aumento de sua participação no Sun Art sinaliza que o Alibaba está forçando uma “digitalização acelerada” dos consumidores chineses pós-pandemia, de acordo com o analista da Jefferies, Thomas Chong. O Sun Art opera cerca de 500 hipermercados e supermercados em toda a China. 

Segundo a nota de Chong, o Alibaba "tem colocado a digitalização como a maior oportunidade para mudar a forma como as pessoas vivem e trabalham" e busca "oportunidades no varejo tradicional", resolvendo problemas como escalabilidade e sustentabilidade.

O setor de alimentos online da China está "pronto para um crescimento explosivo", de acordo com a empresa de análise GlobalData.

Quando a China emergiu das restrições de isolamento no início deste ano, 56% dos consumidores estavam comprando alimentos e mantimentos online com mais frequência do que antes, segundo um relatório da GlobalData revelado em junho. Nos Estados Unidos, cerca de 30% dos consumidores estavam comprando alimentos e mantimentos online com mais frequência do que antes, como também verificou a GlobalData.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook