Ibovespa ignora pessimismo do exterior e fecha em alta; dólar cai a R$ 5,60

Dólar abriu a semana e a manhã de segunda-feira (19) em queda ante o real. Às 9h16, a moeda americana recuava 0,52%, a R$ 5,6143

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
19 de outubro de 2020 às 09:19 | Atualizado 19 de outubro de 2020 às 17:28
 
Foto: Reuters/Amanda Perobelli

Apesar de quedas nos mercados lá fora, a bolsa paulista operou no azul durante todo o pregão desta segunda-feira (19) e por lá ficou até o fim da sessão. 

Petrobras (PETR3 e PETR4) e os bancos foram os responsáveis pela alta do Ibovespa em dia de vencimento de opções, fator que aumenta a movimentação dos papéis. 

O Ibovespa fechou a segunda-feira em alta de 0,35%, para 98.657,65 pontos. A alta era mais forte no início da tarde e o índice ameaçou voltar ao patamar dos 100 mil pontos. 

Leia também:
Em nova revisão, mercado sobe projeção de inflação para 2,65% em 2020
PIB da China cresce 4,9% no 3º trimestre e mantém recuperação

"O desempenho da bolsa hoje surpreendeu positivamente. O cenário lá fora é ruim, por isso a alta perdeu força", explica Daniel Herrera, analista da Toro Investimentos.

Entre o fim de semana e esta segunda-feira, música para os ouvidos dos investidores: Paulo guedes garantiu que o Brasil vai continuar fazendo reformas e que tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse não ser contra a prorrogação do auxílio emergencial, desde que respeitado o teto de gastos. 

No radar macroeconômico, o ministro da Economia, Paulo Guedes, assegurou que o Brasil vai continuar fazendo reformas até o fim e que o presidente da República, Jair Bolsonaro, está do seu lado, enquanto o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, ressaltou a necessidade de o país voltar para a disciplina fiscal.

Herreira explica que o movimento de hoje é atípico e que a tendência é que o Ibovespa volte a seguir o exterior até que fiquem claros temas ligados à questão fiscal por aqui. 

O destaque do pregão foram as ações da brMalls (BRML3), que pode anunciar fusão parcial dos seus negócios com a Ancar. Os papéis tiveram valorização de 5,43%, a segunda maior alta da bolsa hoje. 

As ações mais pesadas do Ibovespa fecharam o dia no azu positivo. Entre elas, os bancos se destacavam. O Bradesco (BBDC4) teve alta de 1,62%, o Itaú (ITUB4) subiu 1,08% e o Santander (SANB11) avançou 0,75%. 

Fora do Ibovespa, a C&A (CEAB3) subia mais de 5% depois que o Valor Econômico noticiou que a controladora da varejista planeja a venda da operação brasileira

O dólar começou a semana em queda ante o real, com as operações domésticas seguindo a fraqueza da moeda norte-americana no exterior, mas a cotação fechou longe das mínimas da sessão, conforme investidores pesaram incertezas sobre aprovação de novos estímulos nos Estados Unidos em meio a persistente desconforto relacionado ao coronavírus.

O dólar à vista caiu 0,64% nesta segunda-feira, para R$ 5,6055 na venda. A divisa oscilou entre queda de 1,31% (para R$ 5,5675) e alta de 0,10% (para R$ 5,647).

Na China, dados sobre o PIB do país decepcionaram os investidores. A economia chinesa cresceu 4,9% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado. 

Internamente, investidores seguem de olho nas políticas fiscais do governo e nos balanços do terceiro tri, que já começaram a ser divulgados.

Lá fora

Os principais índices de Wall Street começaram o dia em alta, mas passaram a cair no início da tarde com incertezas sobre a aprovação de um pacote de estímulos à economia dos Estados Unidos. 

A maior queda foi do índice Nasdaq, com baixa de 1,84%. O Dow Jones caiu 1,44% e o S&P 500 teve queda de 1,63%. 

As ações europeias fecharam em queda nesta segunda-feira, com os casos crescentes de Covid-19 levantando a possibilidade de novas restrições econômicas, o que compensava o otimismo fornecido por sinais de progresso nas negociações de um acordo comercial do Brexit e esperanças de estímulo fiscal nos Estados Unidos.

O índice FTSEurofirst 300 caiu 0,29%, a 1.418 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,28%, a 366 pontos. Mais cedo, esperanças de que uma vacina para a Covid-19 estará disponível até o final do ano e sinais de que um acordo em Washington sobre um pacote fiscal poderá ser alcançado em breve haviam elevado o sentimento nas negociações matinais.

As ações da China reverteram seus ganhos anteriores para fechar o dia em baixa, pressionadas por empresas industriais e de saúde depois que o país relatou um crescimento do PIB mais fraco do que o previsto para o terceiro trimestre.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,8%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,7%. Os índices haviam saltado 1,2% e 1%, respectivamente, antes de mudar de curso.

(Com Reuters)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook