Black Friday 2020: veja o que os brasileiros mais querem comprar na data

Apesar de todas as mudanças que 2020 trouxe, o comportamento dos consumidores não deve ter grandes alterações em uma das principais datas do varejo brasileiro

Leonardo Guimarães, do CNN Brasil Business, em São Paulo
23 de outubro de 2020 às 05:00 | Atualizado 23 de outubro de 2020 às 06:50
Centro de distribuição de empresa de e-commerce
Centro de distribuição de empresa de e-commerce
Foto: CNN (19.ago.2020)

A Black Friday de 2020 ser deve histórica. Será interessante observar o impacto das vendas online na data de descontos depois de uma mudança de hábito forçada pela pandemia de 2020. Além disso, o varejo espera a melhor última sexta-feira de novembro da história. 

Uma pesquisa realizada pelo Instituto IPSOS para o Mercado Livre deu motivos para o setor se animar ainda mais: 58% dos brasileiros disseram que vão aproveitar a data de descontos. 

Leia também:
Os planos do Mercado Livre para ter a maior Black Friday de sua história
Amazon teve maior Prime Day de todos os tempos, mas preferiu ser discreta

Mas, apesar de todas as mudanças que 2020 trouxe, o comportamento dos consumidores não deve ter grandes alterações na próxima Black Friday, pelo menos quando o assunto é o que comprar.

O CNN Brasil Business cruzou duas pesquisas: uma que mede a intenção de compra para a próxima Black Friday – do Instituto IPSOS – e outra do Google, que traz dados sobre as categorias mais desejadas de 2019. 

A comparação entre a projeção de 2020 e o dado consolidado do ano passado mostra que não houve mudanças substanciais no que os consumidores procuram na Black Friday. Porém, o interesse é maior. 

Tecnologia

O estudo da IPSOS mostra que a categoria campeã, de novo, será tecnologia, com 62% dos consumidores interessados na compra de smartphones, tablets, alto-falantes inteligentes e smart watches. 

Seguindo a mesma tendêcia de 2019, o Google identificou que esta foi a categoria mais desejada. No período dos descontos, as buscas por smartphones subiram 26% na comparação com 2018. Em segundo lugar, itens de informática, que também compõem a categoria Tecnologia. Em 2019, o interesse por esses itens cresceu 76%. 

Eletrodomésticos

Geladeiras, fogões e máquinas de lavar estão no radar de 59% dos consumidores que pretendem comprar no próximo dia 27 de novembro. 

Em 2019, os eletrodomésticos foram a terceira categoria mais desejada pelos brasileiros na Black Friday, segundo o Google. Vale lembrar que a dona do buscador separa a categoria em dois segmentos – smartphones e informática. 

Um dado interessante: na época da Black Friday de 2019, as buscas por eletrodomésticos cresceram 68%. Já de 26 de julho a 22 de agosto deste ano, as pesquisas por esses itens atingiram nível médio 16% inferior à Black Friday do ano passado. Ou seja, o “normal” deste ano já se aproxima do nível de pico no ano passado. 

Na pesquisa do Google, a quarta categoria mais buscada é a de TV e Vídeo. O nível de buscas entre julho e agosto foi 27% menor que a média em período de Black Friday no ano passado. 

Moda

As roupas e calçados devem ser muito procurados na próxima Black Friday. O nível de interesse é próximo do observado em eletrodomésticos: 58%. 

As varejistas de moda estão investindo na ampliação de marketplaces, o que aumenta o sortimento disponível nessas plataformas e atrai mais gente para o e-commerce de moda. 

O Google mostra que a procura por jaquetas, calças e tênis está apenas 5% menos que o observado na Black Friday do ano passado. 

Beleza 

Está aí uma categoria que tem uma procura maior que o observado no pico do ano passado. As buscas por produtos de beleza entre junho e agosto atingiram média 26% superior ao número semanal médio de pesquisas em novembro do ano passado. 

A intenção de compra também anima o setor: mais da metade (54%) pretende comprar algum produto do segmento. 

Móveis, casa e decoração

Esta categoria cresceu com as empresas colocando seus funcionários para trabalhar de home office por causa da pandemia de Covid-19. Isso porque, diante do isolamento social, foi preciso adaptar o escritório, comprar uma cadeira de escritório, ou, até mesmo, reformar toda a casa. 

Mesmo assim, 48% dos consumidores ainda querem comprar itens ligados ao lar. 

Por causa da pandemia, o interesse pelo segmento já é 37% na comparação com o nível da Black Friday do ano passado. O número é muito expressivo, já que as buscas pela categoria já haviam crescido 88% na data de descontos em 2019.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook