Famosa por seus donuts, a rede Dunkin' será adquirida por US$ 11,3 bilhões

Dona de 11 mil restaurantes, entre eles, Arby's, Buffalo Wild Wings, Sonic e Jimmy John's, a Inspire Brands é a compradora que vai fechar o capital da companhia

Danielle Wiener-Bronner, CNN Business
31 de outubro de 2020 às 12:50
Dunkin': vendas caíram até junho, mas estão aos poucos se recuperando
Foto: REUTERS/Mario Anzuoni/File Photo

A rede de lanchonetes Dunkin' (dos famosos donuts) e seu braço Baskin-Robbins (de sorvetes) estão sendo adquiridos em um negócio de US$ 11,3 bilhões. A Inspire Brands, uma holding apoiada pelo private equity Roark Capital Group, é a compradora. Apesar de não ser conhecida no Brasil, a Inspire Brands é dona de 11 mil restaurantes, entre eles, Arby's, Buffalo Wild Wings, Sonic, Jimmy John's e outros.

A Inspire, que assumirá a dívida da Dunkin no negócio, planeja adquirir as ações da Dunkin em circulação por US$ 106,50 cada. O papel fechou o pregão de sexta-feira em US$ 99,71.

Dunkin 'e Baskin-Robbins serão "complementares" ao portfólio da Inspire, disse o CEO da Inspire, Paul Brown, em um comunicado anunciando o acordo na sexta-feira à noite. Ele lembrou que, por meio das duas marcas, a Inspire terá acesso a clientes internacionais e a mais de 15 milhões de membros do programa de fidelidade, entre outros.

Leia também:
McDonald's muda cardápio das cafeterias depois de ver concorrência encostar
McDonald’s e Nestlé pedem que Reino Unido proíba importação de áreas desmatadas

A compra quase triplicará o número de restaurantes da Inspire: Dunkin' tem mais de 12.500 unidades e Baskin-Robbins tem quase 8.000.

O CEO da Dunkin, Dave Hoffman, disse em um comunicado que o negócio "trará valor significativo para os acionistas" e que ele espera que impulsione o crescimento das franquias. 

"A aquisição faz sentido, pois dá à Inspire uma marca nacional estabelecida com a Dunkin'", escreveu o analista de restaurantes da BTIG, Peter Saleh, em uma nota publicada após a notícia.

Nos últimos anos, a Dunkin' tem enfatizado seu café. Em 2018, retirou "Donuts" do nome e, desde então, tem investido em máquinas de café expresso e novos equipamentos de fermentação. Também testou novos itens de café da manhã, incluindo um sanduíche de salsicha vegetal.

Antes da pandemia, o café da manhã era um dos poucos setores em crescimento no setor de fast food. Mas agora, as vendas de café da manhã estão caindo por causa da interrupção do deslocamento diário. Muitos que trabalham em casa agora tomam café da manhã em casa. Nos três meses que terminaram em 27 de junho, as vendas nas unidades da Dunkin' nos Estados Unidos caíram quase 19%.

Porém, as vendas estão aos poucos se recuperando. Nos últimos três meses, cresceram 0,9%.

Para ajudar nas vendas, o Dunkin' acrescentou alimentos, como bagel minis recheado com cream cheese, de olho nos clientes que visitavam as lojas à tarde. Também fez parceria com a estrela do TikTok Charli D'Amelio em uma oferta para clientes mais jovens. Essa jogada valeu a pena: quando a promoção Charli foi lançada, o Dunkin' bateu um recorde de usuários em seu aplicativo.

"Dunkin' está prosperando em um mundo com Covid", disse Scott Murphy, presidente da Dunkin' Americas, durante a teleconferência de resultados. "Estamos entusiasmados com o futuro."

A empresa já foi empresa de capital fechado. Dunkin' Donuts e Baskin-Robbins foram vendidos pela Pernod Ricard SA para três empresas de capital privado, incluindo Bain Capital, Carlyle Group e Thomas H. Lee Partners por US$ 2,4 bilhões em 2005. A empresa só abriu o capital em 2011.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook