A recuperação das bolsas (pelo menos nos EUA) pode estar apenas começando

Segundo o banco americano Goldman Sachs, o S&P 500 pode subir mais de 30% em dois anos

Do CNN Business, em Nova York
11 de novembro de 2020 às 17:03
Bolsa de Nova York: S&P 500 pode aumentar ainda mais os níveis recordes de 2020
Foto: Reuters

O banco americano Goldman Sachs prevê que a recuperação do mercado de ações da pandemia está apenas começando.

Uma das maiores instituições de Wall Street, o Goldman aumentou sua meta de final de ano de 2020 para o S&P 500 para 3.700 pontos, o que implica em um ganho de 4% em relação aos níveis atuais. Para completar, o banco espera que o índice de referência suba para 4.300 no final do próximo ano e atinja 4.600 no final de 2022.

O detalhe é que o S&P 500 já está em valores recordes.

Leia também:
Magalu: ações já subiram 112% e podem avançar mais 37% com foco no e-commerce
Marfrig, Magalu: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em novembro

A perspectiva otimista está baseada em grande parte na vacina contra a Covid-19 da Pfizer, que o fabricante da droga diz ser mais de 90% eficaz.

"Uma vacina é mais importante para a economia e os mercados do que as políticas em perspectiva de uma presidência de Biden", escreveram os estrategistas do Goldman Sachs em uma nota aos clientes. O relatório afirma que o sucesso da vacina da Pfizer é um "evento positivo que permitirá que a sociedade voltei gradualmente ao normal em 2021.

Mas, como outras empresas e investidores em Wall Street, o Goldman Sachs está olha observando atentamente os esforços do presidente Donald Trump para reverter os resultados eleitorais.

"As eleições têm consequências, tanto para as políticas quanto para os mercados", disse o relatório. "Joe Biden foi eleito o 46º presidente dos Estados Unidos."

Mas o ponto chave, de acordo com o Goldman Sachs, é que o Congresso "provavelmente permanecerá dividido", o que significa que há "pouco espaço" para aumentos de impostos e outras mudanças legislativas.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook