UE está confiante em encontrar solução para bloqueio de orçamento em breve

Lideranças de países como Alemanha e França trabalham para resolver impasse 'nas próximas semanas'

Reuters
17 de novembro de 2020 às 09:37
Bandeiras com símbolo da UE: bloco trabalha para resolver impasse do orçamento
Foto: Shutterstock

A presidência alemã da União Europeia demonstrou confiança nesta terça-feira (17) de que encontrará uma solução ao bloqueio de Polônia e Hungria ao pacote financeiro de € 1,8 trilhão da UE necessário para reavivar a economia afetada pela pandemia de Covid-19.

"Há tanto dinheiro envolvido que tantos países na União Europeia precisam e estamos aguardando, não só precisamos de uma solução como precisamos dela rápido", disse o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, cujo país detém a presidência rotativa da UE. "Tenho certeza de que conseguiremos fazer isso."

Leia também:
BCE: setor bancário está resistindo 'razoavelmente bem' à crise, diz Guindos
PMI da zona do euro: atividade cai ao menor nível em quatro meses

O ministro francês para Europa Clement Beaune também estava confiante, afirmando nesta segunda-feira: "Uma solução será encontrada nas próximas semanas, a França está totalmente envolvida para encontrar uma."

O ministro alemão para Europa, Michael Roth, pediu aos dois países nesta terça-feira que ajam de forma responsável diante das perdas econômicas provocadas pela pandemia.

"Não é o momento de vetos, mas de agir rapidamente e no espírito da solidariedade", disse Roth antes de videoconferências com seus pares da UE.

Budapeste e Varsóvia vetaram na segunda-feira a adoção do Orçamento de  € 1,1 trilhão da UE para 2021 a 2027 e o fundo de recuperação de € 750 bilhões porque a lei orçamentária inclui uma cláusula que torna o acesso ao dinheiro condicional ao respeito do Estado de direito.

Como tanto o orçamento quanto o fundo de recuperação precisam do suporte unânime de todos os 27 países da UE, sem o consentimento da Polônia e da Hungria nenhum país receberá dinheiro nos próximos anos.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook