GM faz recall global de 7 milhões de carros por problemas em airbag 

O recall cobre os modelos Cadillac Escalade, o Chevrolet Avalanche, Silverado, Suburban e Tahoe e o GMC Sierra e Yukon, dos anos de 2007 a 2014

Chris Isidore, do CNN Business, em Nova York
23 de novembro de 2020 às 18:59
GM: Airbags feito por fornecedora estão ligados a 17 mortes nos EUA
Foto: Edgard Garrido/Reuters

A GM está fazendo o recall de 7 milhões de picapes e SUVs em todo o mundo com airbags feitos pelo mesmo fabricante cujos airbags estão ligados a pelo menos 17 mortes nos Estados Unidos.

A National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), órgão responsável pela segurança viária no país, ordenou um recall nos EUA na segunda-feira (23), rejeitando o argumento da GM de que esta versão dos airbags não precisava ser substituída.

Leia também: 
Tesla, Uber: Empresas criam lobby para acelerar mercado de carros elétricos
Nova Zona Azul, de estacionamento rotativo, começa sob críticas em São Paulo

O recall centra-se em um defeito nos airbags feitos pela Takata, uma fabricante japonesa agora falida, que fez com que os acessórios explodissem, espalhando estilhaços pelo veículo. Além das mortes, outros motoristas ou passageiros ficaram cegos ou foram mutilados.

A decisão vem mais de seis anos após os recalls iniciais vinculados aos airbags Takata terem começado em 2014, tornando-se no final das contas maior recall de automóveis da história. Antes do anúncio de segunda-feira, a parte norte-americana do recall já havia atingido 63 milhões de airbags em cerca de 40 milhões de veículos.

A GM já havia feito o recall de quase 800 mil veículos com airbags Takata, mas argumentou que seus testes mostraram que os acessórios desses veículos adicionais, que têm um tipo de insuflador diferente dos dispositivos do recall anterior, não representavam uma ameaça.

A disputa entre a GM e o regulador de segurança já dura quatro anos. Na segunda-feira, a NHTSA rejeitou o argumento da GM e ordenou que ela retirasse 5,9 milhões de veículos registrados nos Estados Unidos.

“A NHTSA concluiu que os infladores GM em questão correm o risco do mesmo tipo de explosão após a exposição de longo prazo ao alto calor e umidade, assim como outros infladores Takata recolhidos”, disse a agência.

A GM disse que cumprirá com o recall desses veículos domésticos e outros 1,1 milhão dos mesmos modelos em outras partes do mundo. No entanto, a empresa afirmou que continua convencida de que os airbags não representam uma ameaça.

“Acreditamos que um recall desses veículos não é garantido com base no registro factual e científico”, disse a GM. “No entanto, nós cumpriremos a decisão da NHTSA e começaremos a tomar as medidas necessárias."

O último recall será caro para a GM (GM), custando à montadora cerca de US$ 1,2 bilhão, de acordo com seu relatório financeiro anual mais recente no início deste ano. Por causa da falência da Takata, a GM terá que pagar sozinha todos os custos. A empresa espera gastar cerca de US$ 400 milhões no próximo ano e outros fundos adicionais nos anos subsequentes.

Apenas cerca de 75% dos veículos GM recolhidos anteriormente foram trazidos para serem consertados, apesar do fato de o recall ter começado há mais de seis anos. Os recalls são feitos sem custo para os proprietários dos veículos. Não há prazo para os veículos recolhidos devem ser reparados ou substituídos.

O recall cobre os modelos Cadillac Escalade, o Chevrolet Avalanche, Silverado, Suburban e Tahoe e o GMC Sierra e Yukon, com modelos anos 2007 a 2014.

Os proprietários serão notificados se o seu veículo for incluído no recall, ou eles podem buscar nesse site (carros registrados nos EUA).

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)


Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook