Airbnb estreia em Wall Street valendo mais do que Marriott e Hilton juntos

Airbnb começou a ser negociado a US$ 146 por ação, mais do que o dobro do preço do IPO

Sara O'Brien e Kaya Yurieff, do CNN Business
15 de dezembro de 2020 às 15:48 | Atualizado 15 de dezembro de 2020 às 16:44
Hospedagem no Airbnb: ação da empresa começou a ser negociado a US$ 146 
Foto: Reprodução/Instagram Airbnb

No primeiro semestre deste ano, com seus negócios dizimados pela pandemia, o Airbnb cortou um quarto de sua força de trabalho e supostamente reduziu sua avaliação como parte de um acordo para garantir mais financiamento.

Agora, após um retorno notável, a empresa de compartilhamento de imóveis está crescendo em sua tão esperada estreia em Wall Street, ao mesmo tempo em que a pandemia piora nos Estados Unidos e coloca novamente em dúvida o estado do setor de viagens.

O Airbnb começou a ser negociado na quinta-feira (10) a US$ 146 por ação, mais do que o dobro do preço do IPO, levando a empresa a ser avaliada em mais de US$ 100 bilhões. Os papéis do Airbnb fecharam o dia um pouco mais baixos.

A capitalização de mercado de US$ 100 bilhões representa um grande salto em relação à alta anterior de US$ 31 bilhões em uma rodada de financiamento de 2017. Significa também que o Airbnb está valendo mais do que o Uber e mais do que o Marriott e o Hilton juntos.

A forte valorização do Airbnb é apenas o mais recente sinal da demanda dos investidores no que parece ser bons dias para as empresas de tecnologia abrirem o capital. Na quarta-feira (9), o aplicativo de entregas DoorDash viu suas ações aumentarem 85% em sua estreia no mercado de ações.

Leia também:
Como o presidente do Airbnb foi convencido a promover um IPO que não queria
Primeira classe nas melhores aéreas tem cama de casal, caviar e carta de vinhos
A fortuna e os herdeiros de Joseph Safra, um dos homens mais ricos do Brasil

Em uma entrevista com Poppy Harlow da CNN na quinta-feira, o CEO do Airbnb Brian Chesky disse que “nunca poderia ter imaginado” o ano de montanha-russa que a empresa viveu. 

Chesky acredita que há “duas explicações” para a posição mais forte da empresa hoje: uma é que “as pessoas ainda desejam viajar” e a outra vem dos conselhos de seu pai. “Ele costumava me dizer, quando eu era criança, que as coisas nunca são tão boas quanto parecem nem tão ruins também. É preciso se lembrar disso para encontrar o ponto médio entre esses altos e baixos”, disse Chesky.

Assim como o DoorDash se beneficiou muito com o isolamento das pessoas dentro de casa, o Airbnb pode ser favorecido agora com o lançamento de uma vacina bem-sucedida que ajude a acabar com a pandemia e permita que as pessoas viajem mais.

Fundada em 2008 como Airbed & Breakfast, o Airbnb revolucionou a indústria hoteleira ao popularizar a ideia antes impensável de alugar quartos em casas de estranhos. Sua plataforma é usada para encontrar e reservar acomodações em 220 países e regiões ao redor do mundo. O Airbnb agora oferece apartamentos completos, casas e quartos de hotel para alugar, bem como experiências de viagens.

A pandemia abalou os negócios do Airbnb e de muitos dos anfitriões que alimentam o aplicativo. A empresa foi mais atingida em março e abril, quando teve mais cancelamentos do que reservas.

No início de maio, a empresa cortou 25% de sua força de trabalho, ou 1.900 funcionários. Chesky disse à CNN que a empresa “aceitaria todos os funcionários de volta” se estivesse em posição de fazê-lo, mas acrescentou: “Quero ver como a tempestade vai continuar”.

O Airbnb observou uma melhora nas reservas nos meses seguintes, impulsionada por aqueles que usam sua plataforma para estadas de longa duração, bem como para viagens domésticas e de curta distância. Seus negócios ultrapassaram os de concorrentes como Expedia e Booking.com. No terceiro trimestre deste ano, a receita do Airbnb caiu apenas 18%, pois conseguiu um lucro raro. Enquanto isso, a receita da Expedia caiu 58% e a do Booking.com caiu 48%.

Então veio outro aumento nos casos de coronavírus.

“Durante o quarto trimestre de 2020, surgiu outra onda de infecções por Covid-19. Como resultado, os países impuseram restrições rígidas, em particular na Europa. Assim como aconteceu com o impacto da onda inicial da Covid-19 em março de 2020, estamos vendo uma diminuição de reservas nas regiões mais afetadas”, escreveu a empresa em seu prospecto.

A avaliação da empresa havia sido reduzida para US$ 18 bilhões quando aumentou o financiamento da dívida durante a pandemia.

Ao contrário de muitas outras startups altamente valorizadas, o Airbnb disse anteriormente que era lucrativo, excluindo algumas despesas, em 2017 e 2018. Mas, como outras startups de economia compartilhada, o Airbnb enfrentou uma série de batalhas regulatórias ao longo dos anos com governos locais e estaduais. A questão continua sendo um risco contínuo para seus negócios.

Em seu protocolo de IPO, a empresa destacou que está “sujeita a uma ampla variedade de leis e regulamentos complexos, em evolução e, às vezes, inconsistentes e ambíguos que podem impactar negativamente nossas operações e desencorajar anfitriões e convidados de usar nossa plataforma, e que podem nos causar incorrer em responsabilidades significativas, incluindo multas e penalidades criminais”.

O Airbnb também lutou contra o uso indevido das propriedades de aluguel no aplicativo para festas em casa. Em agosto, foi anunciada uma proibição global de todas as festas e eventos nos imóveis do Airbnb, limitando a ocupação a 16 pessoas. No fim de semana de Halloween, o Airbnb proibiu reservas de uma noite em residências inteiras nos Estados Unidos e Canadá em um movimento para impedir festas que poderiam contribuir para a disseminação do coronavírus. Para o Réveillon, a empresa está implantando uma variação desse mesmo sistema.

Durante a pandemia, algumas cidades reprimiram temporariamente os aluguéis de curto prazo e os anfitriões foram forçados a mudar para aluguéis para 30 dias ou mais.

Enquanto Chesky esperava que as ações do Airbnb começassem oficialmente a ser negociadas na quinta-feira, ele lembrou à CNN um conselho dado a ele pelo ex-presidente Barack Obama, um de seus muitos mentores.

De acordo com Chesky, Obama disse a ele: “É muito importante antes de você ir lançar a empresa no mercado de ações que você institucionalize suas intenções para que, mesmo como uma empresa de capital aberto, possa minimizar os conflitos com sua visão”. Chesky disse à CNN que isso significa “tentar ser realmente atencioso sobre o tipo de empresa que queremos nos tornar”.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook