Waack: OCDE fez recomendações muito sérias ao Brasil

Organização diz que país precisa qualificar sua mão de obra, tomar cuidado com a questão fiscal e tornar a economia mais competitiva

Da CNN
17 de dezembro de 2020 às 08:05 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 08:06

No quadro CNN Poder desta quinta-feira (17), na CNN Rádio, William Waack analisou as recomendações que a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) fez na véspera ao dizer que a entrada do Brasil na organização está próxima.

“A OCDE ressaltou que o Brasil precisa 'fazer a lição de casa', ou seja, a gente precisa qualificar melhor nossa mão de obra, tomar cuidado com nossa questão fiscal – uma recomendação muito séria –, e precisamos de uma economia com ambiente muito mais competitivo”, afirmou o jornalista.

Ele destacou, ainda, que entrevistou na véspera Gustavo Henrique Moreira Montezano, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), instituição fundada há 68 anos para ajudar no crescimento do PIB, na diminuição da desigualdade e no aumento de renda.

Assista e leia também:
A entrada do Brasil na OCDE é questão de tempo, diz diretor da organização
Podcast: OCDE sugere ao Brasil reforçar Bolsa Família em valor e número de beneficiários
OCDE sugere juntar FGTS e seguro-desemprego em rede de proteção social

“Ou seja, pelo menos desde a fundação do BNDES estamos falando a mesma coisa: que a desigualdade é grande, que a geração de renda é insuficiente e que não temos o PIB crescendo como a gente acha que deveria”, disse Waack.

Ele destacou que perguntou a Montezano “o que deu errado”. “A resposta dele – que era esperada – foi que nos últimos 20 anos insistimos no papel do estado. Este é um problema político”, afirmou. 

“Espero que não leve outros 68 anos para a gente entender que o verdadeiro poder do presidente, o chefe do Executivo, não está na caneta dele, mas sim na capacidade de ditar a agenda política. E eu diria que isto é o que está faltando.”