Gucci entra na plataforma de luxo do Alibaba para atrair consumidores chineses

Gucci é um dos nomes mais premiados a se juntar à plataforma Tmall Luxury Pavilion, que foi criada em 2017 e possui mais de 200 marcas

Claudia Cristoferi, da Reuters
18 de dezembro de 2020 às 12:42
Gucci
Foto: Gucci / Reprodução

A grife Gucci abrirá duas lojas na plataforma de compras de luxo online do Alibaba, ressaltando a importância do mercado chinês para marcas sofisticadas que buscam reverter a queda de receita devido à pandemia de coronavírus.

Gucci, do grupo francês Kering, é um dos nomes mais premiados a se juntar à plataforma Tmall Luxury Pavilion, que foi criada em 2017 e agora possui mais de 200 marcas que variam de roupas a carros de luxo.

Leia também:
Leilão nos EUA dá direito a apertar botão que implodirá antigo cassino de Trump
Saudade do cinema? Reserva Cultural quer alugar uma sala só para você por R$ 300

A primeira flagship da Gucci, que vende coleções de moda e artigos de couro, será aberta em 21 de dezembro, disseram as duas empresas em um comunicado conjunto na sexta-feira. Uma segunda loja focada em produtos de beleza será lançada em fevereiro de 2021 e será operada pelo parceiro licenciado da Gucci, Coty.

A China - onde os consumidores compram muito mais por aplicativos de celular do que nos Estados Unidos ou na Europa - tem sido um raro ponto interessante para marcas de bens de luxo este ano, com as vendas crescendo lá desde a flexibilização das medidas de isolamento.

Os clientes chineses já representavam cerca de 35% das compras de bens de luxo antes da pandemia e agora devem responder por quase metade das vendas globais de roupas, bolsas e joias de alto padrão até 2025, de acordo com a consultoria Bain.

Alibaba disse que o Tmall Luxury Pavilion tem uma base de consumidores de 750 milhões de pessoas.