Notas de R$ 200 encalham e menos de 10% do prometido circulam na economia

Dados do Banco Central mostram que 43,7 milhões de cédulas de R$ 200 circulavam na economia na sexta-feira passada (11) ante a promessa de 450 milhões

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
18 de dezembro de 2020 às 05:00 | Atualizado 18 de dezembro de 2020 às 09:09


O Banco Central correu para lançar a nova cédula de R$ 200. Uma das razões era a demanda extraordinária gerada pelo pagamento do auxílio emergencial aos brasileiros mais pobres que, muitas vezes, não têm conta bancária. A cédula foi lançada no fim de julho com a promessa de 450 milhões de unidades com o lobo guará ainda em 2020.

A duas semanas da virada do ano, porém, nem 10% do volume prometido chegou ao bolso dos brasileiros. A queda do valor do auxílio emergencial pela metade é apontada como uma das razões para o "encalhe" das notas. 

Dados do Banco Central mostram que 43,7 milhões de cédulas de R$ 200 circulavam na economia na sexta-feira passada, 11 de dezembro. O volume equivale a 9,7% do prometido pelo BC.

O anúncio da nova cédula ocorreu com urgência. Isso porque o pagamento do auxílio emergencial a dezenas de milhões de brasileiros exigiu um reforço inédito no volume de dinheiro em circulação. Assim que o auxílio foi lançado, a máquina de imprimir dinheiro trabalhou freneticamente, e o número de cédulas na economia saltou em 26% entre março e setembro. 

Leia também:

Nota de R$ 200: veja quanto custa imprimir uma cédula de real
Nota de R$ 200 falsa? Saiba como identificar se a nova cédula é verdadeira
Nota de R$ 200: veja memes após o lançamento da cédula

Foram colocadas em circulação mais de 1,7 bilhão de novas cédulas, principalmente de R$ 100 e R$ 50, mas era preciso mais. Então, o BC decidiu lançar uma nota com maior valor. Assim, seria possível pagar o auxílio –que na época era de R$ 600– em apenas três cédulas, e não mais em seis notas de R$ 100 ou uma dúzia de R$ 50.

No sistema bancário, executivos explicam que a redução do valor do auxílio também diminuiu pela metade a demanda por cédulas para esse pagamento. Quando o lobo guará foi oficialmente apresentado, em setembro, o auxílio emergencial era de R$ 300. Ou seja, já era preciso menos cédulas para continuar pagando o benefício. 

Além disso, mais brasileiros aprenderam a usar o aplicativo da Caixa Econômica Federal com o tempo, o que permite gastar o auxílio sem precisar sacar o valor. Esses dois fatores são apontados pelo setor bancário como as razões para esse “encalhe” das cédulas. 

Foto: BC/Divulgação

24 horas por dia

Na Casa da Moeda, responsável pela impressão das cédulas, não houve grandes problemas na confecção. Com a demanda extra, a empresa trabalha em três turnos, 24 horas por dia e todos os dias da semana. Só a linha de produção de R$ 200 tem capacidade de imprimir cerca de 7 milhões de novas notas por dia, diz o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Casa da Moeda, Roni Oliveira. 

“O governo precisava de dinheiro físico e muito rapidamente para suprir a demanda. Mas o auxílio caiu pela metade e não deverá ser prorrogado. Então, a demanda foi temporária”, diz o advogado especialista em numismática (a ciência que estuda cédulas e moedas) Bruno Pellizzari. “Aparentemente, foi uma decisão precipitada lançar a cédula”.

Procurado, o BC informou que “a produção e distribuição das notas seguem o cronograma planejado”. Em nota, a instituição informa que “o ritmo de utilização da cédula de R$ 200 vem evoluindo em linha com o esperado, e deverá seguir em emissões ao longo dos próximos exercícios”.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook