Samarco retoma atividades após 5 anos da tragédia de Mariana

As operações da Samarco reiniciaram com capacidade de produção de 7-8 milhões de toneladas ao ano

Reuters, em São Paulo
23 de dezembro de 2020 às 19:50
Mineradora Samarco
Entrada da Samarco: mineradora começou a retomar suas operações
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A mineradora Samarco começou nesta quarta-feira (23) a retomar gradualmente suas operações, com atividades nos complexos de Germano, localizado em Mariana (MG), e Ubu, em Anchieta (ES), informou a Vale, uma das sócias na joint venture em parceria com a BHP.

Mais cedo neste mês, a Samarco havia informado que retomaria as atividades em dezembro, após extensos testes de comissionamento, "garantindo uma retomada segura após cinco anos" desde o rompimento da barragem de rejeitos de mineração de Mariana, que matou 19 pessoas e foi considerado o pior desastre socioambiental do Brasil.

Leia também:
Samarco: Reparo de hidrelétrica pode custar mais que usina nova
Ação da Vale está batendo recordes, mas deve subir ainda mais em 2021, diz Safra
Tem medo da bolsa? Algumas ações são mais estáveis que outras; veja a lista

As operações da Samarco reiniciaram com capacidade de produção de 7-8 milhões de toneladas ao ano, com a utilização de um de seus três concentradores para beneficiamento de minério de ferro no Complexo de Germano e uma das quatro usinas de pelotização do Complexo de Ubu, representando 26% da capacidade produtiva da Samarco.

A Vale disse que a Samarco utilizará novos processos de disposição de rejeitos, "refletindo seu compromisso com a retomada sustentável e a segurança operacional".

Conforme a Licença de Operação Corretiva (LOC), recebida em outubro de 2019, a Samarco espera poder reiniciar as operações de um segundo concentrador em aproximadamente cinco anos, atingindo uma produção de aproximadamente 14-16 milhões de tonelada ao ano, e reiniciar o terceiro concentrador em cerca de nove anos, quando a mineradora espera atingir um volume de produção de 22-24 milhões de toneladas ao ano.

A Fundação Renova, responsável pela execução dos programas de reparação dos impactos socioambientais e socioeconômicos, pagou indenizações e auxílios emergenciais para mais de 321 mil pessoas, disse a Vale.

Desde 2015, aproximadamente R$ 10 bilhões foram investidos nos 42 programas acordados no Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC).

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook