IGP-M, índice de reajuste do aluguel, fecha ano com alta acumulada de 23,14%

O índice é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis

da CNN*
29 de dezembro de 2020 às 08:21 | Atualizado 29 de dezembro de 2020 às 09:32


O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) terminou o ano com avanço acumulado de 23,14%, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta terça-feira (29), após o índice desacelerar a alta a 0,96% em dezembro, depois de subir 3,28% no mês anterior.

Com a alta do índice, especialistas recomendam que quem mora de aluguel deve negociar o valor com o proprietário do imóvel.

Duas semanas atrás, na segunda prévia de dezembro, o índice já havia desacelerado a alta a 1,18%, após aumento de 3,05% no mesmo período de novembro.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

Leia também:
Anvisa e Pfizer tentam acordo em reunião amanhã sobre registro da vacina
Preço do diesel e da gasolina nas refinarias sobe até 5% a partir desta terça
Brasil deve cair mais uma posição para 13ª entre as maiores economias em 2021

Imóveis em São Paulo (SP)
Foto: Diogo Moreira/Governo do Estado de São Paulo

A alta de 23,14% é três vezes maior que a alta do índice em 2019, quando o acumulado do ano foi de 7,31%. É também o maior avanço acumulado dos últimos 12 anos e a taxa mais alta desde 2002, quando o IGP-M subiu 25,31% no período.

Na última sexta-feira (27) do mês anterior, a startup de aluguel e compra de imóveis QuintoAndar anunciou que vai deixar de usar o índice para reajustas os contratos firmados na plataforma. Desde o do dia 30 de novembro, os valores de aluguel são reajustados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Neste caso, a meta central de inflação do governo para os preços ao consumidor é de 4% neste ano, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

Em dezembro, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, subiu 0,90%, de 4,26% em novembro, acumulando em 12 meses avanço de 31,63%.

O maior destaque de 2020, no entanto, é para o avanço das Matérias-Primas Brutas, que fechou o ano com taxa de 59,96%, embora tenham passado caído 0,74% em dezembro depois da alta de 5,60% em novembro.

Outro indicador que fechou o ano em alta é o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30% sobre o índice geral, acelerou a 1,21% no último mês do ano, de 0,72% em novembro, chegando a 4,81% no acumulado de 2020.

No IPC, a maior alta acumulada em 12 meses foi registrada por Alimentação, de 12,69%. Por outro lado os custos de Vestuário tiveram no ano queda de 1,32%.


*(Com informações da Reuters)