Herdeiro da Samsung promete mudança em audiência final sobre corrupção

O herdeiro de uma das famílias mais poderosas da Coreia do Sul foi condenado por subornar um sócio da ex-presidente Park Geun-hye e preso por 5 anos em 2017

Joyce Lee, da Reuters
30 de dezembro de 2020 às 09:46 | Atualizado 30 de dezembro de 2020 às 09:48
Logomarca na fachada de uma fábrica da Samsung no México (01.jun.2019)
Foto: Jorge Duenes/Reuters

O vice-presidente do conselho de administração da Samsung Electronics, Jay Y. Lee, disse nesta quarta-feira (30) a um tribunal de Seul, na audiência final de um julgamento que decidirá se ele retornará à prisão por alegado suborno, que "fará uma nova Samsung".

O herdeiro de uma das famílias mais poderosas da Coreia do Sul foi condenado por subornar um sócio da ex-presidente Park Geun-hye e preso por 5 anos em 2017.

Essa sentença foi reduzida e suspensa após recurso e ele cumpriu apenas 1 ano de prisão antes de ser libertado em 2018.

Leia também:
Luta contra a Covid-19 avança com remédio imunizante e mais 2 vacinas na fase 3
Senado da Argentina aprova projeto de lei que legaliza o aborto

Uma decisão subsequente da Suprema Corte enviou o assunto de volta ao Supremo Tribunal de Seul, que agora deve decidir sobre uma nova sentença. A decisão está marcada para 18 de janeiro.

"A Samsung tem corrido sem olhar para trás, mas eu perdi algo vital. Embora tenha se tornado a empresa líder da Coreia, a importância de seu papel social, responsabilidade e confiança pública foi negligenciada", disse Lee, lendo uma declaração no tribunal.

"Agora a Samsung será diferente. Serei o primeiro a mudar ... Não importa o que aconteça, nunca farei nada para perseguir meus interesses pessoais. Vou aumentar o valor da empresa e focar nas contribuições sociais, consertar o que o tribunal apontou como os danos de 'chaebol'", disse ele.

Os grandes conglomerados familiares da Coreia do Sul, ou chaebol, são reconhecidos por ajudar a tirar o país da pobreza após a Guerra da Coreia, mas foram criticados por exercer muito poder preservado em parte por meio de elaboradas participações cruzadas internas.

Leia também:
Com 1,5 milhão de doses, último lote da Coronavac chega a São Paulo
Prazo para fazer doações e abater do IR acaba em 30 de dezembro; saiba como doar

Embora não seja o único desafio legal com que Lee está lidando - ele também está sendo julgado por suposta fraude e manipulação do preço das ações - o caso de suborno é a maior ameaça imediata à sua liderança na Samsung Electronics.

Lee, de 52 anos, é o chefe de fato da Samsung Electronics desde que seu pai, Lee Kun-hee, foi hospitalizado em 2014. O Lee mais velho faleceu em outubro, mas seu papel como presidente ainda não foi preenchido.