Picapes elétricas e SUVs inovaram no mercado de carros nos EUA em 2020

Obrigadas a paralisar a produção de carros por semanas a fio, algumas fábricas nos EUA se adaptaram para fabricar equipamentos de proteção individual

Peter Valdes-Dapena, do CNN Business
02 de janeiro de 2021 às 05:00
GMC Hummer EV
O GMC Hummer EV é uma picape off-road totalmente elétrica
Foto: General Motors / Reprodução

O ano de 2020 foi difícil para muitos setores, mas a indústria automobilística norte-americana conseguiu enxergar alguns pontos positivos.

Obrigadas a paralisar a produção de carros por semanas a fio, algumas fábricas nos EUA se adaptaram para fabricar equipamentos de proteção individual e outros suprimentos médicos justamente quando o país mais precisava.

Várias montadoras ainda puderam revelar alguns de seus lançamentos de produtos mais importantes nos últimos anos, incluindo o novo GMC Hummer EV da General Motors e o Bronco da Ford.

Além disso, surgiram certas tendências importantes, como a tão esperada adoção de caminhões e picapes elétricas e um retorno ao SUV extrarrobusto.

Outra grande tendência: comprar um carro e ter a segurança de circular pelas ruas sem medo da Covid-19.

Veja a seguir algumas das maiores tendências que moldaram o setor em 2020.

Picapes elétricas

Ao longo deste ano, uma coisa ficou clara: a obsessão dos EUA por caminhonetes está longe de terminar.

Mas também houve outra reviravolta interessante. Novos avanços na tecnologia de bateria tornaram possível criar versões elétricas das picapes e caminhões sem sacrificar a potência nem encarecer demais o preço, o que significa que os gigantes que consumiam gasolina tornaram-se muito mais ecológicos.

A Ford revelou a nova F-150, a primeira picape totalmente híbrida do mercado americano. É uma precursora da próxima F-150 totalmente elétrica.

Leia também:
O que se sabe até agora sobre o carro elétrico autônomo da Apple
Turismo, Maconha e Videogame: confira os setores vencedores e perdedores de 2020

No entanto, não vimos apenas versões elétricas de picapes já existentes. Em janeiro, a General Motors provocou os fãs do Hummer com um anúncio durante o Super Bowl sobre o GMC Hummer EV, uma hiperagressiva picape eletrica.

Em seguida, houve uma série de outros participantes notáveis no mercado de picapes elétricos: A Lordstown Motors revelou sua picape elétrica estritamente para negócios que será construída em uma antiga fábrica da GM em Ohio. A Fisker, mais conhecida por seu planejado SUV elétrico Ocean, deu dicas no final deste ano de que também está tentando se recuperar. O fundador Henrik Fisker até tuitou uma imagem de uma caçamba com o nome Alaska. A Rivian, que havia anunciado a R1T em 2016, finalmente revelou o preço da picape e deu detalhes de seus recursos. Todos esses veículos irão eventualmente competir contra a Cybertruck, a picape de aparência radical da Tesla, revelada no final de 2019.

Um dos motivos pelos quais as picapes elétricas estão se tornando tão populares é que os consumidores estão começando a confiar na tecnologia, disse a editora do site de avaliação de carros Kelley Blue Book, Allyson Haywood.

“Quando falamos de uma picape elétrica, o comprador quer saber sobre capacidade de carga útil, reboque, off-road ou tudo isso junto”, disse. “Se os clientes temem que as baterias não terão a autonomia que eles querem, não vão ficar confiantes em comprar uma picape elétrica”.

Lordstown Endurance
A picape elétrica Lordstown Endurance foi projetada principalmente para frotas comerciais
Foto: LORDSTOWN MOTORS / Reprodução

Também ajuda o fato de muitos compradores de picapes serem proprietários de empresas de olho na economia de combustível e na manutenção de um caminhão elétrico, observou Haywood. (Veículos elétricos têm manutenção mais barata por possuir menos peças móveis, não exigem mudanças de óleo e não gastam seus freios tão rapidamente quanto os veículos a gasolina ou diesel. A eletricidade também tende a custar menos do que a gasolina por quilômetro.)

SUVs voltam a ser fortes

Os crossover SUVs, muitas vezes apenas carros grandes com suspensão elevada, são muito populares nos EUA há anos. Os showrooms de automóveis estão cheios deles. Mas, em 2020, a indústria automobilística pareceu redescobrir SUVs e picapes construídos mais para trilhas rochosas do que para estacionamentos pavimentados.

A Ford reintroduziu seu famoso Bronco, respondendo a anos de demanda para o modelo clássico há muito tempo fora de linha. Concorrente direto do Jeep Wrangler, o Bronco tem uma tampa removível e foi projetado para uso off-road resistente. O Bronco Sport é um SUV ligeiramente menor que se destina a um uso off-road mais leve, mas ainda assim projetado para trilhas.

Primeira picape totalmente elétrica da General Motors, o GMC Hummer EV também faz parte dessa tendência. Trata-se de um automóvel com tração AWD, direção nas quatros rodas e 1.000 cavalos de potência que pode até se deslocar diagonalmente, se necessário.

Ford Bronco Sport
O Ford Bronco Sport está sendo comercializado como o veículo perfeito para campistas e trilheiros.
Foto: Ford / Reprodução

Mas nem todos os novos SUVs são tão resistentes. Muitos compradores de SUV realmente não precisam de recursos off-road potentes, mesmo se eles se aventurarem em um acampamento ou trilha para iniciantes de vez em quando.

Leia também:
Corrida das vacinas nas bolsas: ação da Pfizer cai 6% e da Moderna sobe 470%
Funcionário de hospital danifica propositalmente 500 doses de vacina nos EUA

É aí que entram SUVs como o novo Chevrolet Trailblazer. Ele é um pouco mais robusto (mais bonito, na verdade) do que parece e está disponível com tração nas quatro rodas. O Trailblazer Activ, a versão mais eficiente, também encara bem estradas de terra – embora nenhum deles seja exatamente equipado para desbravar trilhas mais severas.

O interesse por SUVs mais robustos, aliás, fez a Honda redesenhar sua picape Ridgeline e planejar o mesmo tratamento para os SUVs Pilot e Passaport. A marca japonesa quer informar os clientes de que, sim, seus SUVs e caminhões também podem ficar sujos.

Honda Ridgeline
O Honda Ridgeline 2021 foi redesenhado para ter uma aparência mais robusta.
Foto: Honda / Reprodução

De acordo com a editora Haywood, os compradores de carros estão abalados pelo coronavírus e ansiosos para pegar a estrada e ficar longe das outras pessoas – daí a valorização da robustez dos veículos. Na verdade, é principalmente uma resposta à quase onipresença de crossovers que parecem carros altos. “Quando as pessoas compram um veículo, elas gostam de ter algum senso de individualidade”, afirmou.

A compra agora é online

Outra tendência a ser atribuída à pandemia é o significativo aumento na proporção de carros comprados online. Em 2020, a compra de carros, como tudo o mais, migrou para o mundo virtual em grande estilo.

O site de compras de carros usados Carvana vendeu 39% mais carros no terceiro trimestre de 2020 do que em 2019. A Vroom, outra loja online de carros usados, vendeu 59% a mais de carros no mesmo período.

As vendas dessas empresas já estavam aumentando antes, mas “a pandemia acelerou tudo isso, e talvez por um bom tempo”, disse o CEO da Carvana, Ernest Garcia.

No início de 2020, a JD Power começou a pesquisar novos compradores de carros sobre suas experiências online. Entre janeiro e abril, quando os lockdowns estavam em vigor em grande parte dos Estados Unidos, o número de compradores de automóveis que selecionaram um veículo online aumentou 63%, enquanto a porcentagem de compradores que obtiveram aprovação de crédito online mais que dobrou.

No entanto, a compra de carros online está longe de assumir o controle do novo negócio de compra de carros. Mesmo com essas grandes mudanças online, a maior parte desse processo – que exige muita papelada – ainda é feita presencialmente.

Por exemplo, apesar desse grande aumento, apenas 20% dos compradores de carros novos tiveram aprovação de crédito online em abril, de acordo com dados da JD Power. Apenas 15% dos compradores de automóveis obtiveram um valor avaliado online por seu veículo de troca.

Processos digitais aprimorados serão de grande ajuda, disse Christopher Sutton, vice-presidente da JD Power para varejo automotivo, assim como mais marketing de sistemas online por concessionárias e montadoras.

“Uma coisa que vimos, e que foi muito encorajadora, é que os clientes que passaram pela experiência digital relataram uma experiência melhor no geral”, destacou.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)