Bitcoin tem queda forte após renovar máximas

Um mercado funcional de derivativos de criptomoeda se desenvolveu desde 2017, com as bolsas offshore ainda oferecendo negociações altamente alavancadas

Reuters
04 de janeiro de 2021 às 10:14 | Atualizado 04 de janeiro de 2021 às 12:35


O bitcoin recuava nesta segunda-feira (4), após marcar o recorde de US$34.800na véspera, com operadores citando volatilidade em mercados futuros altamente alavancados.

A moeda digital chegou a cair mais de 16% após subir a US$ 33.670  mais cedo, mas reduziu a perda e mostrava declínio de 5,73%, a US$ 31.200, por volta de 9h45 (horário de Brasília).

Um mercado funcional de derivativos de criptomoeda se desenvolveu desde 2017, com as bolsas offshore ainda oferecendo negociações altamente alavancadas. As movimentações nesses mercados podem ter um efeito desproporcional no preço do bitcoin.

Leia também:
Confira os melhores investimentos em renda fixa e renda variável para 2021
6 atitudes para avançar na carreira em 2021
A pandemia não acabou. Mas você pode progredir em sua carreira em 2021

Bitcoin
Moedas com símbolo do bitcoin, um dos criptoativos mais conhecidos
Foto: Dmitry Demidko/Unsplash

"É o desmonte de parte dessa alavancagem", disse Richard Galvin, do fundo de criptomoedas Digital Asset Capital Management.

O recorde do bitcoin veio menos de três semanas depois de ultrapassar os US$ 20.000 pela primeira vez, em 16 de dezembro. A criptomoeda mais importante do mundo mais que quadruplicou de preço no ano passado.

Operadores afirmavam que a queda do bitcoin nesta segunda-feira (4) não era incomum para o ativo, cujas fortes oscilações de preço em parte impediram que se tornasse amplamente utilizado como moeda.

"Ainda é um ativo inevitavelmente volátil por sua natureza", disse Joseph Edwards, da corretora de criptomoedas Enigma Securities. "Na maior parte, isso parece um movimento puramente técnico, sinalizado e causado por euforia de curto prazo."

O que alimentou a alta do bitcoin foi a percepção de que ele pode agir como uma proteção contra o risco de inflação, à medida que governos e bancos centrais abrem as torneiras de estímulo para conter o impacto econômico da pandemia Covid-19.

"Parte disso reflete o medo de um dólar mais fraco", disse Moh Siong Sim, analista do Banco de Cingapura, sobre sua recuperação mais recente.

Ainda assim, o ouro subia 1,76%, sublinhando a correlação irregular do bitcoin com o hedge de inflação tradicional.

O avanço do bitcoin também refletiu as expectativas de que ele se tornará um método de pagamento convencional. Seu potencial para ganhos rápidos também atraiu a demanda de mais investidores dos EUA.