Nova central multimídia da Mercedes ocupa todo o painel e ainda sugere músicas

A montadora projeta que vai ganhar dinheiro — mais de US$ 1 bilhão por ano até 2025 — com assinaturas de softwares que serão executados na tela

Peter Valdes-Dapena, CNN Business
08 de janeiro de 2021 às 12:45
Central multimídia da Mercedes-Benz
Central multimídia da Mercedes-Benz
Foto: Reprodução / Mercedes-Benz


Há anos, as montadoras oferecem telas sensíveis ao toque cada vez maiores nos painéis dos veículos. Caminhões Ram, por exemplo, vêm com telas de 12 polegadas, medidas diagonalmente, enquanto o novo Ford Mustang Mach-E SUV elétrico tem uma tela que mede impressionantes 15,5 polegadas. A Mercedes, no entanto, levou a tendência a um nível totalmente novo.

Seu novo MBUX Hyperscreen cobre quase todo o painel na frente do motorista e do passageiro. Não pode nem ser medido na diagonal porque não é um retângulo. É curvo. Os orifícios permitem a passagem de ventilação. Aliás, MBUX, que significa Mercedes-Benz User Experience, é o nome da Mercedes para o software touchscreen em seus carros.

Leia também:
T-Cross destrona modelos da Jeep e é o SUV mais vendido de 2020
Onix é líder de vendas pelo 6º ano consecutivo; confira os mais vendidos de 2020

O novo sistema de tela estará disponível no Mercedes EQS, um grande sedã elétrico de luxo que deve ser revelado ainda neste ano.

Todo aquele vidro não é realmente uma única tela interativa. Existem três telas separadas atrás do grande vidro escuro que dá a aparência de uma única tela enorme.

Central multimídia da Mercedes-Benz
Central multimídia da Mercedes-Benz
Foto: Reprodução / Mercedes-Benz


A tela na frente do banco do passageiro permite que o ocupante selecione suas próprias funções de entretenimento e, em países onde é legal, assista a vídeos usando fones de ouvido Bluetooth. Quando não houver ninguém no banco do passageiro da frente, a tela mostrará desenhos decorativos.

Já os passageiros do banco de trás do EQS também terão suas próprias telas, e os ocupantes poderão "mover" o conteúdo com um dedo de uma tela para outra.

Além da tela em si, a Mercedes disse que o carro terá um sistema de entretenimento com inteligência artificial para prever as necessidades e preferências dos motoristas e passageiros. Por exemplo, se um motorista costuma solicitar uma função "Massagem com Pedras Quentes" nas poltronas de massagem à tarde em dias frios, essa opção será apresentada ao motorista assim que ele entrar no carro.

Outras opções, como destino, opções de música e configurações diferentes do veículo também serão alteradas automaticamente com base em coisas como a hora local, localização e temperatura.

Central multimídia da Mercedes-Benz
Central multimídia da Mercedes-Benz
Foto: Reprodução / Mercedes-Benz


Além de vender carros com telas maiores, a Mercedes projeta que vai ganhar dinheiro — mais de US$ 1 bilhão por ano até 2025 — com assinaturas de software e dados para aplicativos que serão executados na tela, disse Öla Källenius, presidente da Mercedes-Benz e sua controladora, Daimler.

O executivo afirmou ainda que a Mercedes realizou testes de colisão com a tela para garantir que é segura. Em caso de colisão, a placa de vidro é projetada com pontos de quebra específicos para que não se estilhace perigosamente. Os suportes que o seguram no painel também são projetados para se soltar em um impacto forte.