Sem distribuição igualitária de vacina, recuperação econômica será lenta, diz OMS

Pandemia não vai acabar em lugar algum se ela não terminar no mundo todo. Não podemos desperdiçar a oportunidade de acabá-la por meio das vacinas, diz OMS

Por Gabriel Caldeira, do Estadão Conteúdo
29 de janeiro de 2021 às 17:22
Recipientes de vacina de Oxford/AstraZeneca no Serum Institute da Índia
Foto: Francis Mascarenhas/Reuters (30.nov.2020)

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, afirmou nesta sexta-feira, (29), que uma das consequências graves da distribuição desigual de vacinas para a covid-19, com doses concentradas em países desenvolvidos, seria uma recuperação econômica lenta, à medida em que a crise sanitária também se estenderia.

"A pandemia não vai acabar em lugar algum se ela não terminar no mundo todo. Não podemos desperdiçar a oportunidade de acabá-la por meio das vacinas", disse Tedros, durante coletiva de imprensa da OMS nesta sexta-feira, (29).

O dirigente da instituição também defendeu que governos distribuam corretamente as doses disponíveis enquanto os imunizantes forem "recursos limitados", priorizando os agentes de saúde que trabalham na linha de frente do combate à covid-19.