Valor de mercado do bitcoin chega a R$ 5,4 tri e já é maior que bolsa brasileira

Com esse número, criptomoeda já vale mais que todas as empresas da bolsa de valores brasileira juntas, que somam R$ 5,1 trilhões, segundo informações da B3

Wesley Santana, colaboração para o CNN Brasil Business
19 de fevereiro de 2021 às 14:54
Bitcoin
Foto: André François McKenzie/Unsplash

Marcando mais um recorde no mercado financeiro, o bitcoin bateu, nesta sexta-feira (19), a marca dos R$ 284 mil, com uma valorização de quase 100% no acumulado de 2021. A criptomoeda também bateu um recorde em valor de mercado (cotação multiplicada pelo total de bitcoins disponíveis no mundo), chegando à casa dos R$ 5,4 trilhões. Com isso, o mercado de bitcoin já vale mais que todas as empresas da bolsa de valores brasileira juntas, que somam R$ 5,1 trilhões, segundo informações da B3. 

Desde 2019, o bitcoin tem apresentado recorrentes recordes de valorização. A exceção foi em fevereiro de 2020, no pico mundial da pandemia do novo coronavírus, quando a criptomoeda apresentou uma queda acentuada. No entanto, sua recuperação foi rápida e, no acumulado do ano, teve avanço de 276% em relação ao dólar e 400% em comparação com o real.

Esses resultados positivos fizeram a moeda superar ativos tradicionais em rentabilidade, como o ouro, que perdeu a liderança em um ano marcado pela imprevisibilidade. Agora, com essa nova guinada, supera a Bovespa, compostas por marcas já consolidadas nacionalmente, como a Ambev, avaliada em R$ 246 bilhões. Em termos internacionais, apenas quatro empresas dos Estados Unidos valem mais que o mercado de bitcoin: Apple, Amazon, Microsoft e Google. 

Para Vinicius Frias, CEO do Alter, um banco digital multimoeda, essa valorização está ligada ao excesso de liquidez do mercado e a necessidade dos governos em injetar dinheiro na economia para frear os problemas da crise sanitária. Para fugir desse movimento, que aumenta a inflação e provoca perda do poder de compra, muitas pessoas e companhias estão recorrendo ao criptoativo, que se apresenta como uma saída. 

Frias afirma que a tendência para 2021 é de crescimento contínuo, principalmente pela institucionalização da criptomoeda, exemplificada na transação da Tesla, que, na semana passada, anunciou a compra de US$ 1,5 bilhão em bitcoins, cerca de 10% do caixa da marca. “As empresas estão comprando bitcoins para ter, no balanço, uma certa proteção a um movimento de desvalorização das moedas. Os governos tendem a seguir com este estímulo econômico, então acredito que ele vai continuar subindo”, avalia.

“As pessoas não vão parar de investir na bolsa, mas já enxergam que podem aplicar um pouco também em bitcoin, e isso deve se intensificar. A porcentagem de investimento nesta modalidade depende muito do perfil de risco de cada pessoa, mas o indicado é que esteja entre 1% e, no máximo, 10%, para perfis mais agressivos.